Diferenças entre Ensino Presencial e Virtual: Percepções de Estudantes da Graduação

Autores

Resumo

Este artigo analisa percepções de estudantes de graduação da
modalidade presencial, quanto às diferenças em relação ao ensino
virtualizado síncrono, experimentado em 2020. A pesquisa, que ocorreu
numa Instituição de Ensino Superior do RS/BRA, caracteriza-se como
qualitativa e descritiva. A coleta de informações foi realizada por meio de
um questionário elaborado no Google Forms, respondido por 245
estudantes. Constatou-se, segundo as percepções dos estudantes, que,
no ensino virtualizado, há ganho de tempo, visto que não é necessário o
deslocamento até a instituição para participar das aulas, mas
permanecem problemas substanciais em relação ao espaço físico
adequado e à conexão à internet. O estudo pode ser realizado no conforto
do lar, com maior disponibilidade dos professores para sanar dúvidas, por
meio de recursos digitais. Foram percebidas facilidades relativas à
participação (virtual) de profissionais que se dispõem a dialogar com os
alunos, trazendo relatos de experiências. Percebeu-se também maior
aprendizagem a respeito do uso das tecnologias digitais. Nas respostas
dos formulários os estudantes, destacaram que no ensino presencial há
maior interação com o professor e mais facilidade em se concentrar nas
aulas. Ressaltaram ainda que a aprendizagem nas aulas práticas é
essencial para a formação profissional e que elas não podem ser
substituídas por aulas virtuais. Conclui-se que tanto o ensino virtual

Revista EaD em Foco, 2021, v.11: e1552 2
quanto o presencial apresentam pontos positivos para os processos de
ensino e de aprendizagem. Dessa forma, o ensino híbrido pode ser
considerado um caminho válido para o Ensino Superior, agregando o que
há de melhor no ensino presencial e no ensino virtual.


Palavras-chave: Ensino superior. Ensino híbrido. Aulas virtuais. Covid-
19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Derli Juliano Neuenfeldt, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Doutorado em Ciências: Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade do Vale do Taquari - Univates. Professor titular dos cursos de Educação Física - Licenciatura e Bacharelado e do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade do Vale do Taquari - Univates. Integrante da equipe da pesquisa “O ensinar da infância à idade adulta: olhares de professores e alunos” (Univates).

Raquel Cristina Michel, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Bolsista de Iniciação Científica da Universidade do Vale do Taquari - Univates. Acadêmica do Curso de Psicologia da Universidade do Vale do Taquari - Univates.

Rogério José Schuck, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora da Imaculada Conceição (1992), Mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1999) e Doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2007). Atualmente é Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ensino - PPGENSINO da Univates, atuando também junto ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas - PPGECE.

Adriano Edo Neuenfeldt, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Formação acadêmica: Possui doutorado em Ensino pela Univates/RS (2020); mestrado em Educação pela UFSM/RS (2006); especialização em Tecnologias da Comunicação e da Informação Aplicadas à Educação pela UFSM/RS (2011); graduação em Matemática Licenciatura Plena pela UFSM/RS (2002) e bacharelado em Desenho e Plástica pela UFSM/RS (2003). Experiência profissional: Professor substituto durante dois períodos (2004-2005 e 2007-2008) na Universidade Federal de Santa Maria vinculado ao Departamento de Metodologia de Ensino, do Centro de Educação, ministrando disciplinas para os cursos de Pedagogia, Educação Especial e Licenciatura em Matemática. Também atuou como professor da Educação Básica na rede pública e privada de ensino. Esteve vinculado a UAB - Curso de Pedagogia Ead (UFSM), como professor pesquisador e conteudista no Curso de Pedagogia (2009-2010). De 2011 a 2018 esteve vinculado ao Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da UNIVATES.  (CETEC UNIVATES/RS), de Lajeado-RS, desenvolvendo disciplinas direcionadas às Ciências Exatas, como Cálculo, Métodos Numéricos, Álgebra, Pesquisa Operacional, Raciocínio Lógico, dentre outras, além de disciplinas em cursos Ead.

Referências

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. Ensino Híbrido: personalização na educação. In.: BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. de M. Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 47-65.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Portaria Nº 2.117, de 6 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a oferta de carga horária na modalidade de Ensino a Distância - EaD em cursos de graduação presenciais ofertados por Instituições de Educação Superior - IES pertencentes ao Sistema Federal de Ensino. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.117-de-6-de-dezembro-de-2019-232670913. Acesso em: 03 de set. 2020.

______ Ministério da Educação. Portaria nº 544, de 16 de junho de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - COVID-19, e revoga as Portarias MEC nº 343, de 17 de março de 2020, nº 345, de 19 de março de 2020, e nº 473, de 12 de maio de 2020. Diário Oficial [da] União, ed. 114, seção 1, p. 62, Brasília, DF, 17 de jun. 2020.

COSTA, M. R. M.; SOUSA, J. C. Educação a Distância e Universidade Aberta do Brasil: reflexões e possibilidades para o futuro pós-pandemia. Revista Thema, vol. 18, edição especial Covid-19, p. 124-135. 2020. Disponível em: http://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/1832. Acesso em: 06 maio. 2021.

LE BRETON. D. Adeus ao corpo. 6 ed. Campinas, SP: Papirus, 2013.

LÉVY, P. O que é o virtual. 2 ed. São Paulo: 2011.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise Textual Discursiva. 3 ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2016.

SENNA, C. M. P. C.; MORAIS, S. P. de; ROSA, D. Z.; FERNANDEZ, A. A.; Metodologias ativas de aprendizagem: elaboração de roteiros de estudos em “salas sem paredes”. In: BACICH, L.; MORAN, J. (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 220-236.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In. SOUZA, C. A. de; MORALES, O. E. T. (Orgs.). Coleção Mídias Contemporâneas - Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Vol. II. PG: Foca-Foto-PROEX/UEPG. 2015. p. 15-33. Disponível em: http://uepgfocafoto.wordpress.com. Acesso em: 05 mai. 2021.

______ Educação híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In.: MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In.: BACICH, Lilian.; MORAN, José. (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 1-25.

NEUENFELDT, A. E. Produção de Vídeos Como Objetos Digitais de Ensino e de Aprendizagem Potencialmente Significativos (ODEAPSs) nas Ciências Exatas: limites e possibilidades. 2020. Monografia (Doutorado) – Curso de Ensino, Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, 06 mar. 2020. Disponível em: http://hdl.handle.net/10737/2843. Acesso em: 22 nov. 2020.

NOGUEIRA, D. R.; LEAL, E. A.; MIRANDA, G. J.; CASA NOVA, S. P. de C. E agora, José? Metodologias em tempos de crise: ventos da mudança ou tsunami on-line. In: NOGUEIRA, D. R.; LEAL, E. A.; MIRANDA, G. J.; CASA NOVA, S. P. de C (Org.). Revolucionando a sala de aula: novas metodologias ainda mais ativas. 1. ed. v. 2. São Paulo: Atlas, 2020. p. 1-22.

SANTINELLO, J.; COSTA, M. L. F.; SANTOS, R. O; dos. A virtualização do Ensino Superior: reflexões sobre políticas públicas e Educação Híbrida. Educar em Revista. Curitiba. vol. 36, e76042, p. 1-20, dezembro, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602020000100603 Acesso em: 22 abr. 2021.

SANTOS, G. L. dos. Ensinar e aprender no meio virtual: rompendo paradigmas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 307-320, agosto, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022011000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 13 fev. 2021.

VALENTE, J. A. A sala de aula invertida e a possibilidade do ensino personalizado: uma experiência com a graduação em midialogia. In: BACICH, L.; MORAN, J. (Orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 26-44.

WHO. Recomendações sobre o uso de máscaras no contexto da COVID-19. 5 de junho de 2020. World Health Organization. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/332293/WHO-2019-nCov-IPC_Masks-2020.4-por.pdf. Acesso em: 5 jul. 2021.

Publicado

2021-10-22

Como Citar

Neuenfeldt, D. J., Michel, R. C., Schuck, R. J., & Neuenfeldt, A. E. (2021). Diferenças entre Ensino Presencial e Virtual: Percepções de Estudantes da Graduação. EaD Em Foco, 11(2). Recuperado de https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1552

Most read articles by the same author(s)