Protagonismo na aprendizagem de línguas pelo uso de aplicativos

Marilene Santana dos Santos Garcia, Dinamara P Machado

Resumo


O presente artigo representa parte de pesquisa realizada em nível de pós-doutorado entre 2014 e 2016, cujo objetivo principal foi, a partir de diferentes perspectivas de análise, levantar e discutir os diferenciais de aprendizagem de línguas por meio do uso de aplicativos. Uma dessas perspectivas é tratada neste artigo, por meio dela apontam-se especificamente alguns resultados da análise qualitativa realizada em quatro aplicativos, visando avaliar as soluções de design, das atividades propostas, das interfaces, das formas de usabilidade, de estímulo à aprendizagem e ferramentas, entre outros aspectos, sinalizando para competências e habilidades necessárias aos aprendizes para o protagonismo na aprendizagem.

 

Palavras-chave: Aplicativos, Aprendizagem autônoma, Mobile-learning, Aprendizagem híbrida, Objetos de aprendizagem mobile.


Protagonism in Languages Learning through the Use of Applications


Abstract  This article is an excerpt from a postdoctoral research study, between 2014 and 2016, which the main objective was, from different perspectives of analysis, to raise and discuss the differentials of language learning through the use of apps. One of these perspectives is presented in this article, which specifically identifies some results of the qualitative analysis carried out in four applications, aiming at evaluating design solutions, proposed activities,interfaces, usability forms, learning stimulus, learning tools, among otheraspects, signaling to the skills and abilities of the apprentices necessary for the protagonism in the learning.


Keywords: Applications, Autonomous learning, Mobile-learning, Hybrid learning, Digital learning objects

 


Palavras-chave


Protagonismo na aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


Ausubel, D. P. (1998). Educational psychology: a cognitive view. New York: Rinehart and Wiston.

Barros, Daniele M. V.; Amaral, Sergio F. (2007).Estilos de aprendizagem no contexto educativo de uso das tecnologias. Pátio - Revista Pedagógica On-line, Porto Alegre, 1, p. 1-2.

Brown & Adler (2008). Minds on fire: open education, the long tail, andlearning 2.0. Educause Review,43, n. 1, 16-32, jan./feb.

Clay, Shirky (2010). A cultura da participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. São Paulo: Zahar.

Downes, S. (2007). Msg. 2, Re: What connectivism is. Disponível em http://ltc.umanitoba.ca/moodle/mod/forum/discuss.php?d=12. Acesso em 9 ago. 2016.

Duarte, Rosália (2008). Aprendizagem e interatividade em ambientes digitais. In Anais Endipe, Porto Alegre.

Garcia, M. (2016). Design de Aplicativos Mobile para a Aprendizagem de Língua. EaD Em FOCO, 6 (1). doi:http://dx.doi.org/10.18264/eadf.v6i1.371

Grein, Marion (2014). Fremdsprache lernen. Eine Frage des Alters. In Goethe Institut - Deutschland. Disponível em https://www.goethe.de/de/spr/mag/20437988.html. Acesso em 19 jun. 2016.

McDowell, L. et al. (2008). Evaluating assessment strategies through collaborative evidence-based practice: can one tool fit all? Innovations in Education and Teaching International, 45, n. 2, may, Taylor and Francis Edt.

Mattar, João A. (2014). Design Educacional: educação a distância na prática. São Paulo: Artesanato Educacional.

Moreira, Jéssica (2016). Escola da Ponte radicaliza a ideia de autonomia dos estudantes. In Conteúdos pedagógicos, Centro de Referência em Educação integral. Disponível em http://educacaointegral.org.br/experiencias/escola-da-ponte-radicaliza-ideia-de-autonomia-dos-estudantes/. Acesso em 22 nov. 2016.

Valadares, Marcus G. P. & Murta, Claudia A. (2016). Aplicativos móveis para aprendizagem de línguas: Duolingo e Sentence Builder. In Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i2.507



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidades consorciadas