Museus Virtuais: o Museu da Pessoa na Construção do Conhecimento Histórico e Geográfico pela Criança em Tempos de Pandemia de Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v12i1.1667

Resumo

O objetivo principal deste trabalho consiste em discutir como os museus virtuais, em especial o Museu da Pessoa, podem ser utilizados pelos professores, em tempos de Pandemia de Covid-19, em ações didáticas nas disciplinas de História e Geografia do 4º Ano do Ensino Fundamental. Trata-se de um estudo propositivo, resultante de pesquisa bibliográfica e exploratória, com abordagem qualitativo-interpretativa, para o qual foram estabelecidas as transformações e permanências sociais e culturais (História) e a diversidade cultural das regiões brasileiras (Geografia), como recortes de conteúdos, propostos pela BNCC para o 4º ano do Ensino Fundamental, que podem ser trabalhados pelo professor, através das coleções de histórias do Museu da Pessoa, incorporando-se procedimentos investigativos da área de História e Geografia. Constatou-se que as histórias de vida e imagens de pessoas de diferentes regiões do Brasil, que constituem o acervo do Museu da Pessoa, podem ser utilizadas por professores para trabalhar esses conhecimentos de modo contextualizado com a sua realidade junto às crianças. Portanto, o Museu da Pessoa pode contribuir com as ações didáticas do professor, em tempos de Pandemia de Covid-19, em face à construção do conhecimento e o desenvolvimento do pensamento histórico e geográfico pelas crianças do 4º ano do Ensino Fundamental.

 

Palavras-chave: Museus virtuais. Museu da pessoa. Conhecimento histórico e geográfico. Ações didáticas. Criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Waldemir Rodrigues Costa Junior, Universidade Federal do Amazonas

Doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Educação na Amazônia- Educanorte (em rede) pela Universidade Federal do Pará- UFPA/ Polo Manaus/ Universidade Federal do Amazonas-UFAM. Possui Bacharelado (2008), Licenciatura (2012) e Mestrado em Geografia (2011) pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM. Atualmente é Professor Assistente do Departamento de Métodos e Técnicas - DMT da Faculdade de Educação - FACED/UFAM. Pesquisador do Grupo de Pesquisa CEFORT - Comunicação, Tecnologia e Conhecimento para a Educação Presencial e a Distância (CNPq). Tem experiência no ensino e pesquisa com ênfase em História e Geografia na formação inicial de professores no Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia - FACED/UFAM, atuando principalmente nos seguintes temas: Mundo vivido e percebido; Espaço, Cultura e Lugar; Metodologias do Ensino, Currículo e Práticas pedagógicas em História e Geografia nos anos iniciais do Ensino Fundamental; Natureza e Sociedade na Educação Infantil; Aprendizagem e Construção do conhecimento histórico e geográfico; Tecnologias no ensino de História e Geografia; Museus virtuais e mediações didáticas.

Zeina Rebouças Corrêa Thomé, Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (1985), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993) e doutorado em Engenharia de Produção - Mídia e Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Realizou Estágio de Pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina, dedicando-se ao desenvolvimento de software e de material didático para suporte às ações Stricto Sensu na modalidade de Educação a Distância (2013-2015). É Professora Titular aposentada da Universidade Federal do Amazonas. Líder do Grupo de Pesquisa CEFORT - Comunicação, Tecnologia e Conhecimento para a Educação Presencial e a Distância (CNPq). Professora orientadora do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) desde 2005. Professora orientadora do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPG-ECIM) desde 2014. Coordenadora do Laboratório de Ambientes Hipermídia de Aprendizagem e Núcleo de Concepção e Produção das Mediações Didáticas e Tecnológicas do Centro de Formação Continuada, Desenvolvimento de Tecnologia e Prestação de Serviços para as Redes Públicas de Ensino - FACED/CEFORT, voltados para o desenvolvimento das ações de Formação Continuada de Professores, objetivadas pelos Materiais Impressos/Fascículo, Vídeos Educativos e Ambiente Virtual de Ensino Aprendizagem. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Comunicação, Educação e Tecnologia, atuando principalmente nos seguintes temas: conhecimento, ensino, aprendizagem, informática e tecnologia aplicada.

Referências

ABUD, K. M. TEMPO: a elaboração do conceito nos anos iniciais da escolarização. Historiae, Rio Grande, vol. 3, n.º 1, p. 9-17, 2012.

ALVAREZ, J.; PASSOS, E. Pista 7: Cartografar é habitar um território existencial. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p.131-149.

BARROS, L. P. de; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p.53-75.

BITTENCOURT, C. M. F. Ensino de História: fundamentos e métodos. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Coleção docência em formação. Série ensino fundamental). 408p.

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm Acesso em: 05 abr. 2019.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História, Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. BNCC – Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

CALLAI, H. C. Aprendendo a ler o mundo: a Geografia nos anos iniciais do Ensino Fundamenta. Cad. Cedes, Campinas, vol. 25, n. 66, p. 227-247, maio/ago. 2005.

CALLAI, H. Ci. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANI, A. C.; CALLAI, H. C.; KAERCHER, N. A. Ensino de Geografia: práticas e textualizações no cotidiano. 10ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

CAINELLI, M. Educação histórica: perspectivas de aprendizagem da história no Ensino Fundamental. Educar. Curitiba: Ed. UFPR, n.º Especial, p.57-72, 2006.

CASTELLAR, S.; VILHENA, J. Ensino de Geografia. São Paulo: Cengage Learning, 2011. (Coleção ideias em ação).

CASTROGIOVANNI, A. C. Apreensão e compreensão do espaço geográfico. In: CASTROGIOVANNI, Antônio Carlos (Org.). Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. 10.ed. Porto Alegre: Mediação, 2012.

COOPER, H. Ensino de História na Educação Infantil e Anos Iniciais: um guia para professores. Traduzido por Rita de Cássia K. Jankowski, Maria Auxiliadora M. S. Schmidt e Marcelo Fronza. Curitiba: Base Editorial, 2012. 264p. Título original: History 3-11 eary years & primary: guide for teachers.

DELEUZE, G. O que é um dispositivo? In: Michel Foucault, filósofo. Tradução de Wanderson Flor do Nascimento, Barcelona: Gedisa, 1990, p. 155-161.

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol.1. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DIAS-TRINDADE, S.; RIBEIRO, A. I.; MOREIRA, J. A. Museus virtuais interativos enquanto artefactos digitais para a aquisição de competências e conhecimentos. In: ALVES, Lynn Rosalina Gama; TELLES, Helyom Viana; MATTA, Alfredo (Orgs.). Museus virtuais e Jogos digitais: novas linguagens para o estudo da história. Salvador: EDUFBA, 2019, p.193-214.

HENRIQUES, R. M. N. Memória, museologia e virtualidade: um estudo sobre o Museu da Pessoa. Dissertação. 187p. Mestrado em Museologia, Departamento de Arquitectura, Urbanismo e Geografia, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa-PT, 2004.

JUZWIAK, V. R. Entre disputas e debates: a construção da BNCC de História. Dissertação. 196p. Mestrado em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021.

KASTRUP, V.; BARROS, R. B. de. Pista 4: Movimentos-funções do dispositivo na prática da cartografia. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Vírginia; ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p.76-91.

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 1996.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Ed.34, 1998.

LÉVY, P. Cibercultura. Trad.: Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed.34, 1999.264p. (Coleção TRANS). Tradução de: Cyberculture.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

MIZIARA, R. Experienciar museus: Um olhar sobre o Museu da Pessoa. Revista do Centro de Pesquisa e Formação, maio, 2016, p.2

PASSOS, E.; BARROS, R. B.. Pista 1: A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: ______; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015, p.17-31.

RUDEK, S. Unidade didática de História: a exploração dos museus virtuais como recurso metodológico para o ensino de História. In: PDE. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE: produções didático-pedagógicas. Programa de Desenvolvimento Educacional, Secretaria de Estado da Educação: Curitiba-PR, 2016. 67p.

SOUZA, I. C. A. da S.; ALVES; L. R. Entre museus e jogos digitais. In: ALVES, Lynn Rosalina Gama; TELLES, Helyom Viana; MATTA, Alfredo (Orgs.). Museus virtuais e Jogos digitais: novas linguagens para o estudo da História. Salvador: EDUFBA, 2019, p.39-58.

VLACH, V. R. F. Ensino de Geografia no início do século XXI: desafios e perspectivas. SL: S/D. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal9/Teoriaymetodo/Teoricos/04.pdf Acesso em: 05 abr. 2019

Publicado

2022-02-22

Como Citar

Costa Junior, W. R., & Thomé, Z. R. C. (2022). Museus Virtuais: o Museu da Pessoa na Construção do Conhecimento Histórico e Geográfico pela Criança em Tempos de Pandemia de Covid-19. EaD Em Foco, 12(1). https://doi.org/10.18264/eadf.v12i1.1667

Edição

Seção

Estudos de Caso