Ensino Não Presencial e Limitações Digitais. Análise de Indicadores da Produção Científica entre 2004 e 2021

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v11i2.1503

Resumo

Em decorrência da pandemia da Covid-19 emergiu a necessidade de outras formas de viver decorrentes do isolamento social. Os processos de ensinar e-learning (não presencial) apoiado pelas tecnologias digitais se tornou uma alternativa. O presente artigo tem como objetivo analisar os indicadores da produção científica mundial acerca das limitações digitais no ensino E-learning. Nesse sentido foi realizada uma busca de produções científicas no período de 2004 a 2021 que versam sobre a temática da limitação digital. A partir do refinamento da busca definiu-se 375 trabalhos que serão discutidos nesse artigo. A partir da análise apresentam-se os indicadores desta produção, com destaque para Taiwan, e uma conversa teórica acerca dos tipos de educação não presencial, trabalhados como: Educação a distância; A educação presencial apoiada pelas TIC; A educação presencial com 20% de sua operacionalização a distância; e educação emergencial remota (Covid-19).

Palavras-chave: Ensino não presencial. Limitação digital. Produção científica. Bibliometria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Errol Fernando Zepka Pereira Junior, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorando em Administração (UFSC); Mestre em Administração (FURG); MBA em Gestão estratégica de Negócios (UNOPAR); Aperfeiçoado em Tecnologias na Educação (IFMG); e em Como ensinar a distância (Uniasselvi) e Bacharel em Administração (FURG). Enquanto experiência profissional, trabalhou na FURG, UCPEL, IFSul, Receita Federal e Uniasselvi. Atualmente é Gestor de Inovação e Tecnologia na Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. Sobre experiência em pesquisa, atua nas áreas de: administração, educação a distância, empreendedorismo, inovação, gestão estratégica e processos gerenciais. 

Tanise Paula Novello, Universidade Federal do Rio Grande – FURG

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande (2001)
mestrado em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (2006) e doutorado em
Educação Ambiental pela mesma Instituição (2011). Também é professora da FURG vinculada ao
Instituto de Matemática, Estatística e Física (IMEF) e membro da Secretaria de Educação a Distância

(SEaD) atuando junto a formação de professores e tutores.É professora junto ao Programa de Pós-
graduação em Educação em Ciências (PPGEC). Atuando principalmente nos seguintes temas: formação

de professores, educação a distância e educação matemática.

Rafael Camarg Ferraz, Universidade Federal do Pampa – Unipampa

Possui graduação em Matemática com habilitação em Física e Desenhos Geométricos (URI), mestre em
Geomática ? Geotecnologia da Informação e doutor em Engenharia Agrícola com foco em modelagem
tecnológica e inteligência artificial (UFSM). Atualmente é professor na Universidade Federal do Pampa
- Campus de Santana do Livramento, nos cursos de Ciências Econômicas, Administração e Relações
Internacionais. Professor e coordenador substituto no Mestrado em Administração e professor
colaborador do Mestrado Profissional em Políticas Públicas da Unipampa. Já atuou como docente em
cursos a distância na UFSM e UFPEL. Em 2013, ao ingressar na UNIPAMPA, auxiliou no
credenciamento da Universidade à modalidade EaD e do Polo de Santana do Livramento, Entre 2014 e
2019, atuou na coordenação da Universidade Aberta do Brasil junto a UNIPAMPA e do Núcleo de
Articulações e Convênios. Foi representante dos Coordenadores UAB do RS no Fórum Nacional de
Coordenadores UAB e participou do grupo de trabalho em Fomento de cursos EaD na DED/CAPES. Já
participou em projetos de pesquisa em EaD e coorienta o projeto de extensão para a criação da
plataforma MOOCs da UNIPAMPA. Membro do Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação
Docente do Estado do RS. Seus temas de atuação estão focados em matemática aplicada, inteligência
artificial, educação e tecnologias.

Pedro Antônio de Melo, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Doutor em Engenharia de Produção e Sistemas e Mestre em Administração pela Universidade Federal
de Santa Catarina. Possui graduação em Letras - Português e Literatura Brasileira - UFSC; Especialista
em Recursos Humanos pela UFSC, e em Gestão Universitária pelo CRUB - Conselho de Reitores das
Universidades Brasileiras em parceria com a OUI - Organização Universitária Interamericana (2004),
Canadá. Pós-doutorado em Educação Superior, pelo Instituto Internacional para a Educação Superior
na América Latina e o Caribe ? IESALC, da Unesco. Doutor Honoris Causa, pela Honorable Academia
Mundial de Educación - HAME (2012). É professor da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina,
no Departamento de Ciências da Administração - CAD, onde leciona disciplinas relacionadas ao
Empreendedorismo. Nos Programas de Pós-Graduação em Administração - PPGAdm e Administração
Universitária - PPGAU, ministra disciplinas e desenvolve pesquisas relacionadas a Gestão
Universitária. Foi Coordenador do Mestrado Profissional em Administração Universitária (2010 -
2016). É Diretor do Instituto de Pesquisas e Estudos em Administração Universitária ? INPEAU. Foi
Coordenador do Instituto de Gestão e Liderança Universitária - IGLU - Região Brasil, da Organização
Universitária Interamericana ? OUI, Canadá, de 2010 a 2019. Foi Editor da Revista Gestão
Universitária na América Latina - GUAL. Desde 2018 é o Chefe do Departamento de Ciências da
Administração - CAD, da UFSC.

Livia Castro D’avila, Universidade Federal do Rio Grande – FURG

Doutora em Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2013), Mestre em
Administração pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2009) e Graduada em Administração pela
Universidade Federal do Rio Grande (2003). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal
do Rio Grande. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Estratégia, Operações de
serviços , Mercado e Empreendedorismo.

Referências

ARAÚJO, R. F; ALVARENGA, L. The bibliometrics in theses and dissertations produced in Brazil (1987-2007). Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 16, n. 31, 2011,p. 51-70.

ARRUDA, E. P. Emergency remote education: elements for public policies in Brazilian education in Covid-19 times. EmRede: Revista de Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 257-275,

BARRAS, R. Towards a theory of innovation in services. Research policy, v. 15, n. 4, 1986, p. 161-173.

BELLINI, C. G. P.; GIEBELEN, E.; CASALI, R. R. B. Limitações digitais. Informação & Sociedade:

Estudos, v. 20, n. 2, 2010, p. 25-35.

BEZERRA, I. M. P. State of the art of nursing education and the challenges to use remote technologies in the time of corona virus pandemic. Journal of Human Growth and Development, v. 30, n. 1, 2020, p. 141-147.

BRASIL. Decreto no 5.800, de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB. Diário Oficial da União, 9 jun. 2006.

BRASIL. Lei No 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, 10 jan. 2001.

BRASIL. Portaria no. 2.253, de 18 de outubro de 2001. Dispõe sobre a introdução nas instituições de ensino superior do sistema federal de ensino, na organização pedagógica e curricular de seus cursos superiores reconhecidos, a oferta de disciplinas que, em seu todo ou em parte, utilizem método não presencial. Diário Oficial da União, 19 out. 2001.

ESPINOSA, M. P.; CARTAGENA, F. C. Tecnologias avançadas para enfrentar o desafio da inovação educacional. RIED - Revista Ibero-americana de Educação a Distância, v. 24, n. 1, p. 35-53, 2021.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2018.

GOMES, K. A. Controvérsias na política de 20% a distância: a caixa-preta. Tese (Dourorado em

Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

GORGENS, P.; ANDRADE, P. C. University education supported by digital information and

communication technologies: some practical ideas. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, v. 6, n. 17, p. 267-280, 2020.

HERNANDES, P. R. A Universidade Aberta do Brasil e a democratização do Ensino Superior

público. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 25, n. 95, p. 283-307, 2017.

HODGES, C.; MOORE, S.; LOCKEE, B.; TRUST, T.; BOND, A. The difference between emergency

remote teaching and online learning. [2020]. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remoteteaching-and-online-learning. Acesso em 04 out. 2020.

HODGES, C.; MOORE, S.; LOCKEE, B.; TRUST, T.; BOND, A. The difference between emergency remote teaching and online learning. [2020]. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remoteteaching-and-online-learning. Acesso em 05 fev. 2021.

KLECUN, E. Bringing lost sheep into the fold: Questioning the discourse of the digital divide.

Information Technology & People, v. 21, n. 3, p. 267-282, 2008.

MAIA, C.; MATTAR, J. ABC da EaD: a educação a distância hoje. Pearson Prentice Hall, 2008.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 6. ed. São Paulo: Bookman, 2012.

MIRANDA, G. L. The limits and possibilities of ict in education. Sísifo – Revista de Ciências da

Educação, n. 3, p. 41-50, 2007.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas, v. 2, n. 1, p. 15- 31, 2015.

NOVELLO, T. P. ; PEREIRA JUNIOR, E. F. Z.; RIBEIRO, N. F. Ambientes virtuais de aprendizagem:

limitações digitais dos professores em época de pandemia do Covid-19. In: I Simpósio nacional de estratégias e multidebates da educação –SEMEDUC, 1. Online. Anais eletrônicos, p. 481-487, 2020.

PEREIRA, T. A. et al. Uso das tecnologias de informação e comunicação por professores da área da saúde da Universidade Federal de São Paulo. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 40, n. 1, p. 59-66, 2016.

PEREIRA JUNIOR, E. F. Z.; SCHROEDER, E. A.; DOLCI, D. B. Limitações digitais, causas e

consequências na efetividade do uso do site trello no planejamento estratégico de uma secretaria de educação a distância de uma universidade federal. EmRede-Revista de Educação a Distância, v. 6, n. 1, 2019, p. 69-85.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ROCHA, T. B. O Plano de Aula para Educação On-line na Pandemia de Covid-19. Revista EaD em Foco, V. 11, 2020. P. 1-20.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. São Paulo: Atlas, 2015.

SENHORAS, E. M. Coronavírus e Educação: Análise dos Impactos Assimétricos. Boletim de Conjuntura, v. 2, n. 5, 2020, p. 128-136.

SOUZA, M. ; RIBEIRO, A. L. Systematic review and meta-analysis of diagnostic and prognostic studies: a tutorial. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, v. 92, n. 3, 2009, p. 241-251.

SPINELLI, A.; PELLINO, G. Covid-19 pandemic: perspectives on an unfolding crisis. The British journal of surgery, v. 107, n. 1, 2020, p. 785-787.

TELLO GAMARRA, J.; MACHADO LEO, R.; AVILA, S.; MELLO, A.; WENDLAND, J. Innovation studies in Latin America: a bibliometric analysis. Journal of technology management & innovation, v. 13, n. 4, p. 24-36, 2018.

VAN DIJK, J.; HACKER, K. The digital divide as a complex and dynamic phenomenon. The information society, v. 19, n. 4, 2003, p. 315-326.

Downloads

Publicado

2021-10-25

Como Citar

Pereira Junior, E. F. Z., Novello, T. P., Ferraz, R. C., Melo, P. A. de, & D’avila, L. C. (2021). Ensino Não Presencial e Limitações Digitais. Análise de Indicadores da Produção Científica entre 2004 e 2021. EaD Em Foco, 11(2). https://doi.org/10.18264/eadf.v11i2.1503

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)