A Política de Cooperação como Estratégia para a Inclusão de Pessoas com Deficiência Visual na Educação a Distância

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v12i2.1784

Resumo

Esta pesquisa aborda a importância da adoção de estratégias inclusivas na educação a distância (EAD), com o objetivo de oferecer uma aprendizagem de qualidade para todos. O presente estudo, de abordagem qualitativa e exploratória, apresenta os resultados de entrevistas com 21 voluntários com deficiência visual, em relação as razões para escolher a EAD e suas percepções sobre a acessibilidade nessa modalidade educativa. Também analisamos a contribuição da cooperação entre todos os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem e desenvolvimento de um curso a distância (como por exemplo alunos, professores, profissionais de informática, entre outros) para a promoção de uma comunicação acessível. A partir dos dados obtidos, concluímos que a política de cooperação é uma potente estratégia de inclusão de pessoas com deficiência visual na EAD, ao promover a diminuição de barreiras comunicacionais e aumentar a troca de conhecimento entre todos. 

 

Palavras-chave: Deficiência visual. Educação a distância. Inclusão. Política de cooperação. Tecnologia assistiva.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, U. F. A quarta revolução educacional: a mudança de tempos, espaços e relações na escola a partir do uso de tecnologias e da inclusão social. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 12, n. esp., p. 31-48, mar. 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Ata VII Reunião do Comitê de Ajudas Técnicas - CAT CORDE / SEDH / PR realizada nos dias 13 e 14 de dezembro de 2007. Disponível em: https://www.assistiva.com.br/Ata_VII_Reuni%C3%A3o_do_Comite_de_Ajudas_T%C3%A9cnicas.pdf. Acesso em: 23 abr. 2022.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 23 abr. 2022.

CAETANO, S. V. N.; FALKEMBACH, G. A. M. YOU TUBE: uma opção para uso do vídeo na EAD. Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 5, n. 1, 2007.

COSTA, B. R. L. Bola De Neve Virtual: o uso das redes sociais virtuais no processo de coleta de dados de uma pesquisa científica. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, Salvador, v. 7 n. 1, p. 15-37, 2018.

FONSECA, S. M.; MATTAR, J. Metodologias ativas aplicadas à educação a distância: revisão de literatura. Revista EDaPECI, São Cristóvão, v. 17. n. 2, p. 185-197, 2017.

Gil, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUEDES, T. A. et al. Estatística descritiva. 2005. Disponível em: http://www.each.usp.br/rvicente/Guedes_etal_Estatistica_Descritiva.pdf. Acesso em: 23 abr. 2022.

OLIVEIRA, Sandra de; FABRIS, ElíHenn. A pesquisa como prática de formação nas escolas de educação básica: possibilidades para processos inclusivos e de engajamento social. In: LOUREIRO, Carine Bueira; LOPES, Maura Corcini (Org.). Inclusão, aprendizagem e tecnologias em educação: pensar a educação no século XXI. São Paulo: Pimenta Cultural, 2021. p. 138-146.

RECH, Tatiana Luiza. O exercício da cooperação como estratégia política na escola. In: LOUREIRO, Carine Bueira; LOPES, Maura Corcini (Org.). Inclusão, aprendizagem e tecnologias em educação: pensar a educação no século XXI. São Paulo: Pimenta Cultural, 2021. p. 64-72.

SASSAKI, R. K. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), São Paulo, ano 12, mar./abr. 2009. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/211/o/SASSAKI_-_Acessibilidade.pdf?1473203319. Acesso em: 23 abr. 2022.

SENNETT, Richard. Juntos: os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio de Janeiro: Record, 2013.

SONZA, A. P. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectiva de usuários com limitação visual. 2008. 313 f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/14661/000666392.pdf. Acesso em: 23 abr. 2022.

TAVARES, D. C. et al. Diversidade para inclusão de deficientes visuais em ambientes virtuais de aprendizagem: um estudo de caso TecnoAssist. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ADAPTATIVOS E ACESSIVOS, 7., 2015, Novo Hamburgo. Anais [...]. [S. l.: s. n.], 2015.

TAVARES, D. C. Vídeos mediadores do conhecimento: uma abordagem para a comunicação acessível a pessoas com deficiência visual. 2019. 88 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Acessível) - Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Leiria, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.8/4793. Acesso

em: 23 abr. 2022.

Publicado

2022-07-14

Como Citar

Tavares, D. C. ., Oliveira, S. de, Santos, F., & Bassani, P. (2022). A Política de Cooperação como Estratégia para a Inclusão de Pessoas com Deficiência Visual na Educação a Distância. EaD Em Foco, 12(2). https://doi.org/10.18264/eadf.v12i2.1784

Edição

Seção

Estudos de Caso

Most read articles by the same author(s)