Autorias Infantis e suas Cartografias do Isolamento: Mapas de Significados das Crianças Elaborados Durante o Ensino Remoto

Los mapas infantiles de significados elaborados durante el aprendizaje a distancia

Autores

Resumo

Como a pandemia da Sars-Cov-2 tem afetado a mobilidade das crianças? Sabe-se que no início dessa pandemia e o seu isolamento social, apenas os serviços considerados essenciais ficaram em funcionamento, no qual as aulas presenciais foram virtualizadas. Todavia, mesmo após a flexibilização de outros serviços, as escolas se mantêm com suas atividades virtualizadas e, desta forma, o presente artigo teve como objetivo, fazer uso de contramapeamentos, cartografias alternativas e mapeamentos vivenciais por meio de mapas autorais das crianças, no intuito de que elas apresentassem os locais que frequentaram e que gostariam de ir nesse período de reclusão pandêmica. Essa atividade foi realizada no ano de 2020, com 22 crianças da Educação Básica, em uma escola no município de Duque de Caxias, estado do Rio de Janeiro, Brasil. A proposta foi realizada através da plataforma Google Classroom, na qual os discentes enviaram seus mapas, anexando uma fotografia do desenho, utilizando a câmera do telefone celular. A partir deste material, buscou-se articular essa forma geográfica de pensar com a linguagem cartográfica e o conceito geográfico de lugar, trabalhando o que denominamos “mapas do isolamento social”. Verificamos que a linguagem cartográfica pôde ser desenvolvida a partir da elaboração dos mapas infantis vivenciais, o que se mostrou fundamental para que os discentes construíssem o conceito de lugar.


Palavras-chave: Mapas infantis vivenciais. Linguagem cartográfica. Lugar. Ensino remoto. Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASCENÇÃO, V. de O. R.; VALADÃO, R. C. Professor de Geografia: entre o estudo do fenômeno e a interpretação da espacialidade do fenômeno. Scripta Nova, vol. XVIII, n.496(3), 2014.

CAVALCANTI, L. de S. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas, SP: Papirus, 1998.

CORSINO, P. Infância, linguagem e letramento: educação infantil na rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Educação, 2003.

COSGROVE, D. Introduction: mapping speculation. In: COSGROVE, D. (org.) Mappings. Londres: Reaktion Books, 1999.

DUARTE, R. G. A linguagem cartográfica como suporte ao desenvolvimento do pensamento espacial dos alunos na educação básica. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v.7, n.13, p.187-206, jan/jun, 2017. Disponível em: http://www.revistaedugeo.com.br/ojs/index.php/revistaedugeo/article/view/493. Acesso em: 3 nov. 2019.

GIRARDI, G. Mapas alternativos e educação geográfica. PerCursos, [S. l.], v. 13, n. 2, p. 39-51, 2012. Disponível em: https://www.periodicos.udesc.br/index.php/percursos/article/view/2759. Acesso em: 20 jan. 2021.

GIRARDI, G. Modos de ler mapas e suas políticas espaciais. Espaço e Cultura, [S.l.], p. 85-110, 2014. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/19960. Acesso em: 20 jan. 2021.

GOMES, P. C. C. Quadros geográficos: uma forma de ver, uma forma de pensar. 1ª Ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

HANNA, S. P. Maps and Diagrams. In: GOMEZ, B.; JONES, J. P. Research Methods in Geography. Oxford: Blackwell Publishing Ltd., 2010.

LACOSTE, Y. A Geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 4ª edição, São Paulo: Papirus, 1988.

LOBATO, R. B. Multiletramentos na Cartografia. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Rio de Janeiro, 2020.

LOPES, J. J. M.; COSTA, B. M. F.; AMORIM, C. C. Mapas Vivenciais: possibilidades para a Cartografia Escolar com as crianças dos anos iniciais. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 6, n. 11, p.237-256, jan/jun., 2016. Disponível em: http://www.revistaedugeo.com.br/ojs/index.php/revistaedugeo/article/view/381. Acesso em: 15 jan. 2021.

LOPES, J. J. M.; MELLO, M. B. Cartografia com crianças: lógicas e autorias infantis. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 7, n. 13, p. 67-78, jan./jun., 2017. Disponível em: http://www.revistaedugeo.com.br/ojs/index.php/revistaedugeo/article/view/486#:~:text=Esse%20artigo%20tem%20como%20o,suas%20inser%C3%A7%C3%B5es%20na%20cultura%20cartogr%C3%A1fica. Acesso em: 15 jan. 2021.

OLIVEIRA, L. Estudo metodológico e cognitivo do mapa. In. Cartografia Escolar. (Org.) ALMEIDA, Rosângela Doin de. 1ª ed, São Paulo: Contexto, 2008.

MASSEY, D. Um sentido global do lugar. In: ARANTES, Antonio A. (org). O espaço da diferença. Campinas, SP: Papirus, 2000.

MENEZES, P. M. L.; FERNANDES, M. C. Roteiro de Cartografia. São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

MOREIRA, J. A.; SCHELEMMER, E. Por um novo conceito e paradigma de educação digital onlife. Revista UFG, v.20, 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/63438. Acesso em: 3 nov. 2019.

MOREIRA, R. Pensar e ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. 1ª edição, 2ª reimpressão, São Paulo: Contexto, 2010.

SANTANA, C. L. S.; SALLES, K. M. B. Aula em casa: Educação, tecnologias digitais e pandemia COVID-19. Interfaces Científicas, Aracaju, v.10, n.1, p.75-92, 2020. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/educacao/article/view/9181. Acesso em: 3 nov. 2019.

SEEMANN, J. Cartografia e cultura: abordagens para a Geografia Cultural. In: Temas e caminhos da Geografia Cultural. ROSENDAHL, Zenny; CORRÊA, Roberto Lobato. (Org). – Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

SEEMANN, J. O currículo dente-de-sabre da Cartografia no Brasil: reflexões sobre a transmissão de saberes e fazeres no ensino superior. In. Formação e docência em Geografia: narrativas, saberes e práticas / Jussara Fraga Portugal, Simone Santos de Oliveira, Solange Lucas Ribeiro organizadoras. - Salvador: EDUFBA, 2015.

SEEMANN, J. O ensino de Cartografia que não está no currículo: olhares cartográficos, “carto-fatos” e “cultura cartográfica”. In: Ensino de Geografia: novos olhares e práticas. / Flaviana Gasparotti Nunes (Organizadora). – Dourados, MS: UFGD, 2011.

SIMIELLI, M. E. R. Cartografia no Ensino Fundamental e Médio. In: A geografia na sala de aula. CARLOS, A.F.A. (Org). 8. Ed. São Paulo: Contexto, 2006.

THROWER, J. W. N. Maps and civilization: Cartography in culture and society. Chicago: University of Chicago Press, 1996.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 5a. Reimpressão 1993.

Publicado

2021-10-07

Como Citar

Tavares, F. R., Lobato, R. B., & Costa, J. V. F. T. . (2021). Autorias Infantis e suas Cartografias do Isolamento: Mapas de Significados das Crianças Elaborados Durante o Ensino Remoto: Los mapas infantiles de significados elaborados durante el aprendizaje a distancia. EaD Em Foco, 11(2). Recuperado de https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1527