Ensino Superior à Distância como Possibilidade de Mobilidade Intergeracional – Caso de Mulheres Adultas da Universidade Aberta do Brasil (UAB)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v12i2.1660

Resumo

O ensino superior à distância tem se mostrado uma opção viável para aprendizes adultos, devido à flexibilidade oferecida pelo aprendizado online, permitindo que os alunos combinem estudo com trabalho remunerado, família e outras responsabilidades, além de elevar a mobilidade intergeracional de educação. No entanto, quando se trata de mulheres adultas, observa-se um padrão em relação ao nível de escolaridade entre pais e filhas, bem como, a interferência da composição familiar e/ou presença de filhos, na conclusão ou desistência de cursos de graduação a distância. O objetivo deste artigo é apresentar o perfil do público que realiza os cursos de graduação a distância de uma Instituição Pública de Ensino Superior, vinculada ao Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), com foco nas mulheres adultas (com idade acima de 25 anos). Para melhor compreender este fenômeno, foram utilizados dados secundários do cadastro e questionário de pesquisa socioeconômico aplicado aos egressos dos cursos, no período de 2011 a 2015. Os resultados apontam uma tendência média de aumento da mobilidade intergeracional de educação. Essa tendência parece ser impulsionada, principalmente, por políticas educacionais que beneficiaram particularmente as mulheres adultas, filhas de pais com baixo grau de instrução, já atuam no mercado de trabalho, possuem filhos e estão acessando pela primeira vez o ensino superior. 

 

Palavras-chave: Ensino superior à distância. Mobilidade intergeracional de educação. Mulheres adultas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABED - Associação Brasileira de Educação a Distância. CENSO EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2018. Curitiba: InterSaberes, 2019.

ALMEIDA, J. S. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

BRASIL. Decreto nº 5.800, de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil-UAB. Diário Oficial da União, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5800.htm. Acesso em: 10 ago. 2021.

CARVALHAES, F.; RIBEIRO, C. A. C. Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: Desigualdades de classe, gênero e raça em um contexto de expansão educacional 1. Tempo social, v. 31, p. 195-233, 2019.

CHAWINGA, W.; ZOZIE, P. Increasing access to higher education through open and distance learning: Empirical findings from Mzuzu University, Malawi. International Review of Research in Open and Distributed Learning, v. 17, n. 4, p. 1-20, 2016.

EDUCAÇÃO, IBGE PNAD. Mais da metade das pessoas de 25 anos ou mais não completaram o ensino médio. Agência IBGE Notícias, v. 16, 2019.

FERRARI, A. T. Metodologia da ciência. Kennedy Editora, 1974.

FONTANELLA, L.; SARRA, A.; DI ZIO, S. Do gender differences in social institutions matter in shaping gender equality in education and the labour market? Empirical evidences from developing countries. Social Indicators Research, v. 147, n. 1, p. 133-158, 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior: Sinopse Estatística – 2019. Boletim de Serviço Eletrônico em, v. 1, p. 02, 2019.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Panorama da educação: destaques do Education at a Glance 2020. Brasília (DF), 2020.

JOHNSTONBAUGH, M. Conquering with capital: social, cultural, and economic capital’s role in combating socioeconomic disadvantage and contributing to educational attainment. Journal of Youth Studies, v. 21, n. 5, p. 590-606, 2018.

LAUBE, H. Resistance and Disruption: Women at the University of Michigan–Flint 1956–1966. Women's Studies, v. 47, n. 6, p. 617-636, 2018.

MAHLMEISTER, R. et al. Revisitando a mobilidade intergeracional de educação no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 73, p. 159-180, 2019.

MEC - Ministério da Educação. Portal Universidade Aberta do Brasil. 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/politica-de-educacao-inclusiva?id=12265. Acesso em: 16 ago. 2021.

MINAYO, M. C. S.; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade?. Cadernos de saúde pública, v. 9, p. 237-248, 1993.

MUIR, T. et al.. (2019). Chronicling engagement: students’ experience of online learning over time. Distance Education, v. 40, n. 2, p. 262-277, 2019.

NGUYEN, T.; NGUYEN, B. M. D. Is the “first-generation student” term useful for understanding inequality? The role of intersectionality in illuminating the implications of an accepted—yet unchallenged—term. Review of Research in Education, v. 42, n. 1, p. 146-176, 2018.

SALATA, A. Ensino Superior no Brasil das últimas décadas: redução nas desigualdades de acesso? 1. Tempo Social, v. 30, p. 219-253, 2018.

SINGH, S. Voicing their stories: A discourse on the relationship between education and the social position of Indian women in the mid-twentieth century. Journal of International Women's Studies, v. 21, n. 2, p. 153-168, 2020.

STOKES, J. W. Examining the sense of belonging of first-generation students and their college persistence: An exploratory interview study. PhD diss., University of Tennessee, 2017.

STONE, C. et al. Opportunity through online learning: Experiences of first-in-family students in online open-entry higher education. Australian Journal of Adult Learning, v. 56, n. 2, p. 146, 2016.

STONE, C. et al. Equal or equitable?: The role of flexibility within online education. Australian and International Journal of Rural Education, v. 29, n. 2, p. 26-40, 2019.

TERRES-TRINDADE, M.; SOUZA, F. P.; PREDEBON, J. C. Intergeracionalidade e educação: a perpetuação de práticas educativas maternas. Pensando Famílias, v. 16, n. 2, p. 29-45, 2012.

VERGARA, S.; GOMES, A. P. Gênero no ambiente acadêmico. FREITAS, EE, 2012.

WALKER, M. Aspirations and equality in higher education: gender in a South African university. Cambridge journal of education, v. 48, n. 1, p. 123-139, 2018.

Downloads

Publicado

2022-06-13

Como Citar

Rossi, T. R. ., & Fontes, M. B. . (2022). Ensino Superior à Distância como Possibilidade de Mobilidade Intergeracional – Caso de Mulheres Adultas da Universidade Aberta do Brasil (UAB). EaD Em Foco, 12(2). https://doi.org/10.18264/eadf.v12i2.1660

Edição

Seção

Estudos de Caso