Arte-Educação e Ciberespaço: Ponderações sobre o Contexto Pós-moderno

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v12i2.1651

Resumo

Entendemos o ciberespaço como arquétipo da vida pós-moderna, tanto porque revela especificidades do comportamento dos sujeitos contemporâneos, como também porque maximiza a desestabilização de referenciais monolíticos legados pela modernidade. Para a arte-educação, a cibercultura se torna fundamental porque evidencia características contextuais desta espetacularização de imagens e seus apelos sensórios, além de contribuir com deslocamentos discursivos pertinentes à desessencialização de códigos estéticos. Interessa-nos interpretar discursos de professores de artes sobre os usos possíveis dos espaços virtuais, tendo como propósito refletir sobre o cenário pandêmico recente e os dilemas postos à prática educativa numa perspectiva pós-moderna. Para tanto, estamos realizando entrevistas com professores de artes do Ensino Médio, tendo em vista compreender os efeitos da realidade remota na abordagem da arte-educação.

 

Palavras-chave: Pós-modernidade. Arte-educação. Ciberespaço.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRELA, L. Os 50 sites mais acessados do Brasil e do mundo. Revista Exame, 20 jun. 2017, Seção Tecnologia. Disponível em https://exame.com/tecnologia/os-50-sites-mais-acessados-do-brasil-e-do-mundo/ Acesso em 09 set. 2021.

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte. São Paulo: Perspectiva, 2014.

BARBOSA, A. M. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/ Arte, 1998.

BAUDRILLARD, J. Simulacros e simulação. Lisboa: Antropos, 1991.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BERGSON, H. Memória e vida. São Paulo: WMF Martins fontes, 2019.

CUNHA, F. P. Cultura digital na e-arte/educação: educação digital crítica. Tese (Doutorado em Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, p. 278, 2008.

DUARTE, F. Brasil é 'vice' em tempo gasto em redes em ranking dominado por 'emergentes'. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 set. 2019. Disponível em: https://f5.folha.uol.com.br/nerdices/2019/09/brasil-e-2o-em-ranking-de-paises-que-passam-mais-tempo-em-redes-sociais.shtml Acesso 09 set. 2021.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Paz e Terra, 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

GUSMÃO, R. et al. Desenho didático online na pós-modernidade: percepções da formação continuada em tempos de pandemia. Revista Edapeci, São Cristóvão, vol. 21, num. 3, p. 16-28, 2021. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/15806/12354 Acesso 22 fev. 2022.

LEMOS, A. Ciber-socialidade: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Logos: Comunicação e Universidade, vol. 4, num. 1, 1997. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/logos/article/download/14575/11038 Acesso 16 ago. 2021.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 2003.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1990.

MAFFESOLI, M. O instante eterno: o retorno do trágico nas sociedades pós-modernas. São Paulo: Zouk, 2003.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

POLLAK, M. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, num. 10, p. 200-212, 1992. Disponível em: http://www.pgedf.ufpr.br/memoria%20e%20identidadesocial%20A%20capraro%202.pdf. Acesso 20 set. 2020.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

Publicado

2022-06-29

Como Citar

Gusmão, R. (2022). Arte-Educação e Ciberespaço: Ponderações sobre o Contexto Pós-moderno. EaD Em Foco, 12(2). https://doi.org/10.18264/eadf.v12i2.1651

Edição

Seção

Artigos Originais