Treinamento da Equipe do IBGE Responsável pela Coleta de Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Edição Especial COVID19 – PNAD COVID19, através de Ensino a Distância: Análise de Contexto, Desenho e Avaliação

Autores

Resumo

O presente artigo tem como finalidade descrever a metodologia adotada frente aos desafios de elaboração de um treinamento a distância para capacitação de mais de 4 mil servidores, que atuariam direta e indiretamente no processo de coleta de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, edição especial COVID19 – PNAD COVID19, executada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, a partir de maio de 2020. Apresenta a análise de contexto, sua influência no desenho da solução de capacitação e na definição dos objetivos de aprendizagem. Seguindo o modelo de Donald Kirkpatrick, o artigo avalia o treinamento, a partir da análise de dados das avaliações de reação e de aprendizagem dos concluintes. Os resultados mostraram a relevância de uma efetiva análise contextual, antes de qualquer definição acerca do modelo de capacitação; destaca o conhecimento do público-alvo, na etapa de inspiração, como elemento de sucesso no desenho da solução e aponta caminhos para se efetuar avaliação de comportamentos e de resultados, no âmbito dos treinamentos de pesquisas realizadas pelo IBGE.

Palavras-chave: Educação a distância. Análise de contexto. Avaliação. PNAD COVID19. IBGE.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hugo Sousa Campos, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

http://lattes.cnpq.br/4228532186655054

Referências

ABBAD, Gardênia et al. Projeto instrucional, aprendizagem, satisfação com o treinamento e auto-avaliação de impacto do treinamento do trabalho. Revista Psicologia: organizações e trabalho, v. 1, n. 2, p. 129-161, 2001.

ABBAD, Gardênia. Um modelo integrado de avaliação do impacto do treinamento no trabalho–IMPACT. Brasília (DF): Universidade de Brasília, 1999.

AUSUBEL, David P. A aprendizagem significativa. São Paulo: Moraes, 1982.

BARROS, Daniela Melaré Vieira; SANTOS, Vanessa Matos dos; ROMERO, Cristina Sánchez. Estratégias para o trabalho colaborativo: revisitando o uso de fóruns on-line na educação a distância. Rev. Diálogo Educ. Curitiba, 2019.

BROWN, Tim. Design Thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Alta Books Editora, 2018.

BROWN, Tim et al. Design thinking. Harvard business review, v. 86, n. 6, p. 84, 2008.

CAVALCANTI, Carolina Costa; FILATRO, Andrea. Design thinking na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva, 2016.

EBOLI, Marisa. Educação corporativa no Brasil: mitos e verdades. In: Educação corporativa no Brasil: mitos e verdades. 2004. p. 278-278.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti. BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de

Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de

objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

FILATRO, Andrea. Design instrucional na prática. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.

FILATRO, ANDREA CRISTINA; BILESKI, SABRINA M. CAIRO. Produção de conteúdos educacionais. Saraiva Educação SA, 2017.

GOLDSTEIN, Irwin L. Training in work organizations. Consulting Psychologists Press, 1991.

HAMBLIN, Anthony Crandell. Avaliação e controle do treinamento. McGraw-Hill do Brasil, 1978.

IBGE: brasileiros reduzem adesão às medidas de isolamento social, diz Pnad Covid. ISTO É, 25/09/2020. Disponível em: < https://istoe.com.br/ibge-brasileiros-reduzem-adesao-as-medidas-de-isolamento-social-diz-pnad-covid/ >. Acesso em: 24/10/2020.

KIRKPATRICK, Donald; KIRKPATRICK, James. Evaluating training programs: The four levels. Berrett-Koehler Publishers, 2006.

KIRKPATRICK, D.L. Evaluation of training. In: CRAIG, R.L (ed.). Training and development handbook. New York, McGraw-Hill, 1976.

MENESES, Pedro Paulo Murce; ZERBINI, Thaís. Levantamento de necessidades de treinamento: reflexões atuais. Análise, v. 20, n. 2, 2009.

MOREIRA, Marco Antônio; MASINI, Elcie. Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. 2 ed. São Paulo: Centauro. 2001.

NUZZI, Vitor. ‘Home office’ predomina entre brancos, de ensino superior e renda maior. Mulheres são maioria. Rede Brasil Atual, 16/09/2020. Disponível em: < https://www.redebrasilatual.com.br/economia/2020/09/home-office-brancos-ensino-superior-renda-maior/ >. Acesso em: 24/10/2020.

OSORIO, Rafael Guerreiro. O sistema classificatório de cor ou raça do IBGE. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, 2003.

Pnad Covid: 14,7% dos estudantes não tiveram atividades na 2ª semana de setembro. Notícias Uol, 02/10/2020. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2020/10/02/pnad-covid-147-dos-estudantes-nao-tiveram-atividades-na-2-semana-de-setembro.htm>. Acesso em: 24/10/2020.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. Educação Online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2010.

SOUZA, Carina. Pnad Covid-19: Brasil testou apenas 10% da população. Correio Braziliense, 23/10/2020. Disponível em: < https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2020/10/4884185-pnad-covid-19-brasil-testou-apenas-10--da-populacao.html >. Acesso em: 24/10/2020.

Publicado

2021-04-06

Como Citar

Campos, H. S. (2021). Treinamento da Equipe do IBGE Responsável pela Coleta de Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Edição Especial COVID19 – PNAD COVID19, através de Ensino a Distância: Análise de Contexto, Desenho e Avaliação. EaD Em Foco, 11(2). Recuperado de https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1249