Reflexões sobre Formação de Trabalhadores por meio da UAB no Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v11i1.1162

Resumo

Este artigo analisa a relação entre a formação dos trabalhadores egressos do Polo Cametá da Universidade Aberta do Brasil (UAB) e o seu perfil socioeconômico, a sua inserção/manutenção no mercado de trabalho, a sua situação laboral e o seu grau de satisfação com a área de formação. O referencial teórico está fundamentado em autores de concepção crítica. A metodologia desta pesquisa foi orientada pelo Materialismo Histórico-Dialético com Abordagem Qualitativa, tendo como procedimento técnico o Estudo de Caso. Os resultados da pesquisa explicitam que o Polo da UAB tem uma importante função social na formação do trabalhador da microrregião de Cametá e que a maioria dos trabalhadores egressos não atua em sua área de formação, mas, contraditoriamente, sentem-se satisfeitos com a formação recebida. Conclui-se que a UAB/Polo Cametá, por meio da EaD, contribuiu positivamente no processo formativo dos trabalhadores egressos, proporcionando uma formação profissional e humana.

Palavras-chave: Trabalho. Universidade. Formação. Educação a distância. Egressos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Batista do Carmo Silva, Universidade Federal do Pará

Faculdade de Educação/CUNTINS/UFPA. Endereço: Tv. Cônego Miguel Inácio, 124 – Cametá – PA – Brasil.

Marlanje Solene Ferreira, Universidade Federal do Pará

 

Faculdade de Educação/CUNTINS/UFPA. Endereço: Tv. Mário Marques, 1.678 – Cametá – PA – Brasil.

 

Benilda Miranda Veloso Silva, Secretaria de Educação do PARÁ

SEDUC/PA. Endereço: Tv. Cônego Miguel Inácio, 124 – Cametá – PA – Brasil.

Referências

ANDRIOLA, W. B. (2014). Estudo de egressos de cursos de graduação: subsídios para a autoavaliação e o planejamento institucionais. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 54, p. 203-219, out./dez. Editora UFPR, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n54/a13n54.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

ANTUNES, R. (2009). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo, SP: Boitempo.

ARRUDA, E. P., & ARRUDA, D. P. (2015). Educação a Distância no Brasil: Políticas Públicas e Democratização do acesso ao Ensino Superior. Educação em Revista, 31(3), 321-338. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v31n3/19826621-edur-31-03-00321.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Censo da Educação Superior. (2017). Brasília, DF: MEC/INEP.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.html. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.800. (2006, 08 de junho). Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5800.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.622. (2005, 19 de dezembro). Regulamenta o Art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394. (1996, 20 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

CAMETÁ. Decreto Municipal nº 97. (2013, 29 de julho). Lei Municipal de Criação do Polo de Apoio Presencial da Universidade Aberta do Brasil UAB/Cametá, nº 245 de 20 de setembro de 2013. Cametá, PA: PMC, 2013.

CUNHA, L. A. (1989). Qual universidade? São Paulo, SP: Cortez.

FRANCO, M. L. (2008). Análise de conteúdo. (3a. ed.). Brasília, DF: Liber Livro Editora.

FRIGOTTO, G. (1991). O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In Fazenda, I. (org.). Metodologia da pesquisa educacional (pp. 20). São Paulo, SP: Cortez.

FRIGOTTO, G. (2001). Educação e Trabalho: bases para debater a Educação Profissional Emancipadora. Perspectiva, 19(1), 71-87. Disponível em: https://www.feis.unesp.br/Home/DSAA/DS AA/ProjetoGQTSCM/documentos/educaca o/04_frigotto.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo demográfico. Rio de Janeiro, RJ: IBGE.

KENDLER, V., & OLIVEIRA, L. C. V. de. (2015). Experiência de professores de uma instituição pública no uso das novas tecnologias da informação e da comunicação na educação a distância. Belo Horizonte: Universidade FUMEC.

LUDKE, M., & ANDRÉ, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, SP: EPU.

MARCONI, M. de A., & LAKATOS, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científica. (5a. ed.). São Paulo, SP: Atlas.

RIOS, J. A., & PIMENTEL, R. G. (2007). Educação a distância e o seu grande desafio: o educando como sujeito de sua própria aprendizagem. Disponível em: http://extensao2.nead.ufsj.edu.br/site/. Acesso em: 12 jul. 2019.

RUDIO, F. V. (2007). Introdução ao projeto de pesquisa científica. (34a. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

SAVIANI, D. (2007). Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Rev. Bras. Educ., 12(34), 152-165, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a12v1234.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

SEVERINO, A. J. (2008). O ensino superior brasileiro: novas configurações e velhos desafios. Educar, 31, 73–89, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a06. Acesso em: 12 jul. 2019.

SILVA, R. G. da, & OLIVEIRA, E. G. de. (2012). A EaD contribui para a democratização do acesso à educação pública? Anais SIED/EnPED. Disponível em: http://www.sied-enped2014.ead.ufscar.br/ojs/index.php/sied/article/view/171/81. Acesso em: 12 jul. 2019.

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Silva, J. B. do C., Ferreira, M. S. ., & Silva, B. M. V. . (2021). Reflexões sobre Formação de Trabalhadores por meio da UAB no Pará. EaD Em Foco, 11(1). https://doi.org/10.18264/eadf.v11i1.1162

Edição

Seção

Artigos Originais

Most read articles by the same author(s)