Museus de Ciência Espaços de Formação para Licenciandos

Autores

Resumo

O presente artigo apresenta estudo inédito desenvolvido junto aos mediadores do Museu Ciência e Vida oriundos dos cursos de licenciatura oferecidos a distância, na modalidade semipresencial, âmbito do Consório Cederj. O estudo foi desenvolvido na perspectiva da Análise Textual Discursiva. Dentre os principais achados da pesquisa, destaca-se que a motivação que levou o estudante a se tornar mediador era a busca por conhecimento e o interesse por divulgação científica. A maioria dos mediadores não teve outra vivência em espaço não formal de educação além daquela do Museu Ciência e Vida. Dentre as barreiras encontradas para o exercício da mediação, a dificuldade de falar em público é a que mais se sobressai. A experiência da mediação conferiu aos estudantes habilidades, quais sejam, desenvoltura para comunicação pessoal e aquisição de conhecimentos de outras áreas, em virtude do caráter interdisciplinar das atividades desenvolvidas no museu, destacadas na fala dos respondentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Dahmouche, Fundação Cecierj/Museu Ciência e Vida

Possui graduação, mestrado e doutorado em Física pela Universidade de São Paulo (1997) e pós-doutorado no BNM-SYRTE (Paris), com ênfase em Física Atômica. Foi professora substituta no IF-Ufscar, Atualmente é docente da Fundação Cecierj - Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do RJ. Tem experiência na área de Física Atômica, e desde 2006 vem atuando em Divulgação e Popularização da Ciência, com ênfase em feiras de ciências, museus e centros de ciência e relações de gênero na ciência. Em 2007 implantou a Caravana da Ciência que coordenou até 2008. É diretora do Museu Ciência e Vida, tendo coordenado seu processo de implantação. Fez estágio Sejour Culture promovido pelo Ministério da Cultura francês. Como pesquisadora suas linhas de interesse são o papel dos museus e centros de ciência na educação não formal, as feiras de ciências na formação dos estudantes e na divulgação científica, a divulgação científica para sensibilização do público para ciência, as relações de gênero no universo das ciências exatas na perspectiva da divulgação científica. Integra o grupo de pesquisa OMCC&T - Observatório de Museus e Centros de Ciência e Tecnologia. É docente no Curso de Especialização em Divulgação da Ciência, da Tecnologia e da Saúde e no mestrado acadêmico oferecido pela Casa de Oswaldo Cruz, Divulgação da Ciência, da Tecnologia e Saúde. 

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CENTROS E MUSEUS DE CIÊNCIA; CASA DA CIÊNCIA; MUSEU DA VIDA. Centros e Museus de Ciências do Brasil 2015. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciências: UFRJ. FCC. Casa da Ciência; Fiocruz. Museu da Vida, 2015. Disponível em: http://www.museudavida.fiocruz.br/images/Publicacoes_Educacao/PDFs/centrosemuseusdecienciadobrasil2015novaversao.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

BIELSCHOWKY, C. Consórcio Cederj: A História da Construção do Projeto. EAD em Foco, v.7, n. 2, 27 ago. 2017. Disponível em: https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/652. Acesso em: 7 set. 2020.

CARLÉTTI, C.; MASSARANI, L. Explainers of science centres and museums: a study on these stakeholders in the mediation between science and the public in Brazil. JCOM, Journal of Science Communication, v. 14, n. 2, p. 1-17, 2015. Disponível em: https://jcom.sissa.it/sites/default/files/documents/JCOM_1402_2015_A01_en.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

DANILOV, V. Science and technology centers. Cambridge, MA: MIT Press. 1982.

FALK, J.H.; DIERKING L.D. Learning from Museums: Visitors Experiences and the Making of Meaning. California, U.S.A.: Altamira Press. 2000.

JACOBUCCI, D. F. C.; JACOBUCCI, G. B.; MEGID NETO, J. Experiências de Formação de Professores em Centros e Museus de Ciências no Brasil. Revista Electrónica de Enseñanza de lãs Ciencias, v. 8, n. 1, p. 118-136, 2009. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen8/ART7_Vol8_N1.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

JACOBUCCI, D. F. C.; JACOBUCCI, G. B.; MEGID NETO, J. Papéis Atribuídos aos Professores em Programas de Formação Continuada em Centros e Museus de Ciências Brasileiros. Revista Profissão Docente (Online), v. 7, p. 1-11, 2007. Disponível em http://www.revistas.uniube.br/index.php/rpd/issue/view/42. Acesso em 16 de março de 2020.

LIMA, I. V. C. V.D. L. O estágio em museus de ciência: o museu como espaço de produção do conhecimento e formação. 2018 Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://www.gepemci.com.br/wp-content/uploads/2018/04/Tese-Isabel-Lima.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

MARANDINO, M.; CONTIER, D. (org.). Educação Não Formal e Divulgação em Ciência: da produção do conhecimento a ações de formação. Faculdade de Educação da USP. São Paulo. 2015. Disponível em: http://www.livrosabertos.sibi.usp.br/portaldelivrosUSP/catalog/view/235/210/963-1. Acesso em: 7 set. 2020.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. Ijuí: UNIJUÍ, 2007

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 2ª ed. Ijuí: UNIJUÍ. 2011.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Revista Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003. Disponível em: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks.com/w/file/fetch/54950175/tempestade%20de%20luz.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

PINTO, S. P. et al. A construção da mediação humana no Museu Ciência e Vida. In: Anais II Colóquio Internacional Tendências Contemporâneas da Comunicação Científica. Florianópolis: UFSC, 2014.

QUEIROZ, G.; GOUVÊA, G.; FRANCO, C. Formação de professores e Museus de Ciência. In: GOUVÊA, G.; MARANDINO, M.; LEAL, M. C.. (orgs) Educação e Museu: a construção social do caráter educativo dos museus de ciência. Rio de Janeiro: Access, S.l: s. n. 2003.

QUEIROZ, G. R. P. C. Parcerias na formação de professores de ciências na educação formal e não formal. In: Museu da Vida e Museu de Astronomia e Ciências Afins. Caderno do Museu da Vida - Formal e Não Formal na Dimensão Educativa do Museu 2001/2002. 1ª ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, v. 1, p. 80-86, 2002.Disponível em http://www.museudavida.fiocruz.br/images/Publicacoes_Educacao/PDFs/CadernosdoMuseudaVida2002002.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

RIO DE JANEIRO. Lei Complementar nº 103, de 18 de março de 2002. Transforma o Centro de Ciências do Estado do Rio de Janeiro na Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do Rio de Janeiro - Fundação CECIERJ, e dá outras providências. Rio de Janeiro, RJ: Alerj, [2002]. Disponível em http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/CONTLEI.NSF/a99e317a9cfec383032568620071f5d2/54bc5c4e0965316603256b8e005cc9c9?OpenDocument. Acesso em: 7 set. 2020.

SOUZA, R. S.; GALIAZZI, M. C. A categoria na análise textual discursiva: sobre o método e sistema em direção à abertura interpretativa. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n.9, p. 514-538, Dez. 2017. Disponível em: https://editora.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/130. Acesso em: 7 set. 2020.

VALENTE, M. E. A. Museus de ciências e tecnologia no Brasil: uma história da museologia entre as décadas de 1950-1970. 2008. Tese (Doutorado em Ciências), Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008. Disponível em: http://taurus.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/287022/1/Valente_MariaEstherAlvarez_D.pdf. Acesso em: 7 set. 2020.

Publicado

2020-10-05

Como Citar

Pinto, S. P., & Dahmouche, M. (2020). Museus de Ciência Espaços de Formação para Licenciandos. EaD Em Foco, 10(2). Recuperado de https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1142

Edição

Seção

Artigos Originais

Most read articles by the same author(s)