Ferramentas de Educação à Distância: Ampliando as Fronteiras no Uso de Novas Linguagens Educacionai

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v10i1.999

Resumo

Sabe-se que, para que a educação possa cumprir seus propósitos, deve basear-se em quatro modalidades de aprendizagem fundamentais: o aprender a conhecer, o aprender a fazer, o aprender a conviver e, finalmente, o aprender a ser. Com isso, pretende-se formar indivíduos autônomos, intelectualmente ativos e independentes, capazes de estabelecer relações interpessoais, de se comunicarem e evoluírem permanentemente, de intervirem de forma consciente e proativa na sociedade. Na educação à distância isso não é diferente, devendo haver total relação entre os projetos pedagógicos de curso e estes pilares da aprendizagem. Contudo, nos moldes em que normalmente é aplicada, a educação à distância, enquanto nova linguagem educacional, não atinge em sua plenitude todas as modalidades de aprendizagem ou, ainda, eventualmente, não as atinge do modo mais eficaz. Daí a importância de discutirem-se e revisarem-se alguns aspectos que possam auxiliar aqueles que põem em prática ações de educação à distância, objetivando-se o atingimento da excelência no uso das ferramentas aplicadas a esta modalidade de ensino. Neste trabalho se discutirá, em campo teórico, a relevância de alguns subsídios práticos que favoreçam a aplicação dessa nova linguagem educativa a todas as modalidades de aprendizagem, centrando-se a discussão em aspectos relativos às teorias de aprendizagem, ao instrumental tecnológico e às relações interpessoais e posturas individuais.

Palavras-chave: Educação à distância. Teorias de aprendizagem. Recursos tecnológicos. Relações interpessoais. Posturas individuais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice Monte Alvarenga, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)-  Campus Cocal

Referências

ABRÃO, R. K.; SILVA, J. S.; SILVA, J. A. A construção identidades dos alunos de EaD através dos seus discursos em um fórum de discussão. Novas Tecnologias da Educação, CINTED – UFRGS, 2011. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/renote/article/download/21893/12701. Acesso em: 07 mar. 2015.

ALVES, L. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista da Associação Brasileira de Ensino à Distância. Artigo 7, v. 10, 2011. Disponível em: http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2011/Artigo_07.pdf. Acesso em: 15 mar. 2015.

AZEVEDO, A. B. Aprendizagem na EAD: contribuições e desafios. Educação & Linguagem, v. 16, n. 1, p. 151-169, 2013. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/article/view/4003. Acesso em: 17 jun. 2020.

BELLONI, M. L. Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. Educação e Sociedade, v. 23, n.78, p. 117-142, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302002000200008. Acesso em: 16 mar. 2015.

BURNIER, S. Pedagogia das competências: conteúdos e métodos. Boletim Técnico do Senac. v. 27, n. 3. Setembro/Dezembro 2001. Disponível em: http://www.senac.br/informativo/BTS/273/boltec273e.htm. Acesso em: 01 mar. 2015.

CHAVES, E. P. S.; ANDREOLI, C. R. Qual o impacto do conhecimento de informática no desempenho acadêmico dos alunos de EaD? RAIMED - Revista de Administração IMED, v. 3, n. 2, 2013. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/article/view/333. Acesso em: 17 jun. 2020.

COLL, C. P.; MARCHESI, J. Desenvolvimento psicológico e educação: Psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. 2 v.

DELORS, J. Os quatro pilares da educação. In: Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortezo, 1998.

FERREIRA, S. R. A Docência na EaD. V Seminário Internacional de Educação a Distância: Meios, Atores e Processos, CAED e UFMG. Eixo 2 Trabalho Docente na Educação a Distância. p. 189, 2013. Disponível em: https://www.ufmg.br/ead/seminario/anais/pdf/Eixo_2.pdf. Acesso em: 22 mar. 2014.

FUMERO, A.; ROCA, G. Web 2.0. Espanha: OmánImpresores, 2007.

KENSKI, V. M. Das salas de aula aos ambientes virtuais de aprendizagem. In: 12º CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DIST NCIA, 2005. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2005. Acesso em: 08 mar. 2015.

LEAL, R. B. A importância do Tutor no processo de aprendizagem à distância. Revista Iberoamericana de Educacion, 2011. Disponível em: www.rieoei.org/deloslectores/947Barros.PDF. Acesso em: 01 mar. 2015.

LUZ, M. R. M. P. da, ROLANDO, L. G. R., SALVADOR, D. F., SOUSA, A. Characterization of the Reasons Why Brazilian Science Teachers Drop Out of Online Professional Development Courses. The International Review of Research in Open and Distributed Learning, v. 19, n. 5, 2018. https://doi.org/10.19173/irrodl.v19i5.3642

MORAES, M.C.; PESCE, L.; BRUNO, A.R. Pesquisando Fundamentos para Novas Práticas na educação online. São Paulo: RG Editores, 2008.

MORAN. J. M. Professores e gestores previsíveis e os inovadores. In: A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 2. ed. Campinas: Papirus, 2007. 174p. Disponível em: http://www.eca.usp.br/prof/moran/site/textos/educacao_inovadora/previsiveis.pdf. Acesso em: 17 jun. 2020.

OTSUKA, J.L.; ROCHA, H.V. Avaliação formativa em ambientes de EaD. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO(SBIE), 2002. Disponível em: http://www.teleduc.org.br/sites/default/files/publications/17_jh_sbie2002.pdf. Acesso em: 04 mar. 2015.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens entre duas lógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

SALVADOR, D. F.; ROLANDO, L. G. R.; LUZ, M. R. M. P.; SOUSA, A. H. S. Comunidade virtual aprendizagem para professores de Biologia e Ciências – Avaliação da utilização e desafios. Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, v. 12, n. 1, 2017. Disponível em: http://ppct.caicyt.gov.ar/index.php/reiec/article/view/8105. Acesso em: 17 jun. 2020.

SANTAROSA, L. M.C. "Escola Virtual" para a Educação Especial: ambientes de aprendizagem telemáticos cooperativos como alternativa de desenvolvimento. Revista de Informática Educativa, v. 10, n. 1, p. 115-138, 1997.

SANTOS, J. F. S. Avaliação no ensino a distância. Revista Ibero-americana de Educação. v. 4, n. 38, 2005. Disponível em: http://www.rieoei.org/1372.htm. Acesso em: 12 nov. 2006.

SBC. Sociedade Brasileira de Computação. Diretrizes para ensino de Computação na Educação Básica. 2019. Disponível em: https://www.sbc.org.br/educacao/diretrizes-para-ensino-de-computacao-na-educacao-basica. Acesso em: 17 jun. 2020.

Publicado

2020-06-27

Como Citar

Alvarenga, E. M. (2020). Ferramentas de Educação à Distância: Ampliando as Fronteiras no Uso de Novas Linguagens Educacionai. EaD Em Foco, 10(1). https://doi.org/10.18264/eadf.v10i1.999

Edição

Seção

Revisões