Perfil de Uso do Espaço Virtual como Estratégia Pedagógica para a Práxis Educativa Online

  • Eniel do Espirito Santo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia http://orcid.org/0000-0003-0589-1298
  • Ariston de Lima Cardoso Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Adilson Gomes dos Santos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Daniela Melaré Vieira Barros Universidade Aberta Portugal
  • Jose António Marques Moreira Universidade Aberta Portugal

Resumo

Neste artigo analisamos o perfil de uso do espaço virtual dos estudantes como estratégia pedagógica para a práxis educativa nos ambientes virtuais de aprendizagem. Decorrente da teoria dos estilos de aprendizagem, a abordagem teórica do perfil de uso do espaço virtual pressupõe quatro estilos básicos: 1) participativo; 2) de busca e pesquisa; 3) de estruturação e planejamento; e 4) de ação concreta e produção. O estudo configura-se como um relato de experiência, realizado com a aplicação do questionário de identificação desse perfil com 159 estudantes em um curso de pós-graduação lato sensu a distância. Os dados revelaram predomínio do estilo de estruturação e planejamento no espaço virtual (40,7%), com resultados equilibrados nos estilos de busca e pesquisa (36,4%), uso participativo (36,4%) e de ação concreta e de produção (34,9%). Diante disso, os docentes do curso foram orientados a priorizar estratégias pedagógicas capazes de sequenciar a aprendizagem, partindo do estilo predominante e avançando pelos demais estilos menos desenvolvidos. O relato conclui apontando a pertinência do diagnóstico dos estilos de uso do espaço virtual para a práxis educativa online, recomendando a sua realização no início do período letivo, visando nortear o trabalho docente e elaboração das atividades didáticas.

Palavras-chave: Estilos de uso do espaço virtual. Estratégias pedagógicas.

Biografia do Autor

Eniel do Espirito Santo, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Doutor em Educação, com estudos de pós-doutoramento em educação. É professor adjunto no Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (CECULT) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Coordena o Núcleo de Educação Continuada Digital na Superintendência de Educação a Distância e o curso de especialização em Tecnologias e Educação Aberta e Digital da UFRB. É vice-coordenador do grupo CNPq de Pesquisa G-TERF - Tecnologias Educacionais, Robótica e Física, desenvolvendo investigações na linha de pesquisa Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na Educação.
Ariston de Lima Cardoso, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutor em Geociências (IGEO-UFBA), Mestre em Física, Bacharel e licenciado pela Universidade Federal da Bahia, atualmente pós-doutoramento na Universidade Aberta de Portugal. Professor adjunto na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Tem experiência em gestão acadêmica e administrativa de cursos de graduação, tecnológico e pós-graduação, superintendência e coordenação de programas nacionais e institucionais. Em pesquisa atua na área interdisciplinar das tecnologias educacionais e robóticas, além de projetos em desenvolvimento na área das geotecnologias aplicadas a área ambiental e agricultura através de veículos aéreos não tripulados, sendo líder do Grupo CNPq de Pesquisa  em Tecnologias Educacionais, Robótica e Física (G-TERF).

Adilson Gomes dos Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutorando em Ciências da Educação pela Universidade do Minho (UMinho), Mestre em Educação e Contemporaneidade (UNEB), lLcenciado em Ciências com Habilitação em Biologia (UESB). Professor do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas (CETEC) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). É Superintendente da Superintendência de Educação Aberta e a Distância (SEAD-UFRB) e coordenador da Universidade Aberta do Brasil (UAB-UFRB). Pesquisador dos Grupos de Pesquisa CNPq: Educação, Avaliação e Tecnologias (GEAT) e Tecnologias Educacionais, Robótica e Física (G-TERF). 

Daniela Melaré Vieira Barros, Universidade Aberta Portugal
Pedagoga; Especialista em Instrucional Designer; Especialista em Administração em Educação a Distância; Mestrado em Engenharia das Mídias para a Educação Euromime - Erasmus Mundus - Portugal, Espanha e França; Mestrado em Educação pela UNESP - BRASIL; Doutorado em Educação pela UNESP - BRASIL; Doutorado em Educação pela UNED - Madrid; Pós-Doutorado pela UNICAMP e UNED. Colaboradora da Open University no Proyecto COLEARN, C. Editorial da Revista de Estilos de Aprendizaje. Atualmente docente da Universidade Aberta - Portugal.
Jose António Marques Moreira, Universidade Aberta Portugal

Doutor e Mestre em Ciências da Educação pela Universidade de Coimbra. Realizou um pós-doutoramento em Tecnologias Educacionais e da Comunicação também pela Universidade de Coimbra. É Professor auxiliar no Departamento de Educação e Ensino a Distância (DEED) da Universidade Aberta (UAb). Atualmente é Diretor da Delegação Regional do Porto da Universidade Aberta e Coordenador da Unidade de Desenvolvimento dos Centros Locais de Aprendizagem (UMCLA) da mesma universidade. É coordenador científico da Unidade Móvel de Investigação em Estudos do Local (ELO) e investigador no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20), da Universidade de Coimbra e no Laboratório de Educação a Distância e eLearning (LE@d) da UAb. 

Referências

Alonso, C. M.; Gallego, D. J. & Honey, P. (2002). Los estilos de aprendizaje: procedimientos de diagnostico y mejora. Madrid: Mensajero.

Barros, D. M. V. (2009). Estilos de uso do espaço virtual: como se aprende e se ensina no virtual? Inter-Ação: Rev. Fac. Educ., UFG, Goiânia, n. 34, v. 1, p. 51-74, jan./jun., 2009. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/download/6542/4803

Barros, D. M. V. (2014). Estilos de aprendizagem e o uso de tecnologias. São Paulo: Artesanato Educacional.

Barros, D. M. V. (2018). Estilos de aprendizagem. In: MILL, Daniel. Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. Campinas/SP: Papiros.

Freitas, J. M. A. (2013) Estilos de aprendizagem no virtual: as preferências do discente do ensino superior a distância. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica.

Moore, M. G. (2002) Teoria da Distância Transacional. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, v. 1, agosto, p. 1-14, 2002. Disponível em http://seer.abed.net.br/edicoes/2002/2002_Teoria_Distancia_Transacional_Michael_Moore.pdf

Prensky, M. (2012). From Digital Natives to Digital Wisdom: Hopeful Essays for 21st Century Education. S.l.: Corwin. Disponível em http://www.marcprensky.com/writing/Prensky-Intro_to_From_DN_to_DW.pdf

Santo, E. E.; Soares, C. Q.; Silveira, E. C. F. & Oliveira, R. P. C. (2015). A learning styles comparative study from high level students of face-to-face and distance education. Debate Universitario, Buenos Aires, n. 7, nov., p. 55-68, 2015. Disponível em http://ppct.caicyt.gov.ar/index.php/debate-universitario/article/view/6649

Serres, M. (2013). Polegarzinha: uma nova forma de viver em harmonia, de pensar as instituições, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertand Brasil.

Terçariol, A. A. L. & Barros, D. M. V. (2017). Os estilos de uso dos espaços virtuais e as redes sociais na pedagogia: um estudo exploratório. Journal of Learning Styles, Utah Valley University, v. 10, n. 20, p. 321-356, 2017. Disponível em: http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/view/377/247

United Nations. (2015). Transforming our World: The 2030 Agenda for Sustainable Development. United Nations, 2015. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/post2015/transformingourworld/publication

White, D. & Le Cornu, A. Visitors and Residents: a new typology for engagement. First Monday, Chicago, vol. 16, n. 9, 5 september, 2011. Disponível em: http://firstmonday.org/article/view/3171/3049

Publicado
2019-12-02
Como Citar
Santo, E. do E., Cardoso, A. de L., Santos, A. G. dos, Barros, D. M. V., & Moreira, J. A. M. (2019). Perfil de Uso do Espaço Virtual como Estratégia Pedagógica para a Práxis Educativa Online. EaD Em Foco, 9(1). https://doi.org/10.18264/eadf.v9i1.781
Seção
Estudos de Caso