Avaliação de um Ambiente Virtual de Aprendizagem de Imunologia

Autores

  • Adriano Theodoro ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE SAÚDE HERBERT JOSÉ DE SOUZA - FAETEC
  • Gerlinde Agate Platais Brasil Teixeira Doutora/Professora/Pesquisadora, Departamento de Imunobiologia/Instituto de Biologia/Universidade Federal Fluminense Outeiro São João Batista - Campus Valonguinho: Centro, Niterói - RJ CEP 24210-130: Brasil.
  • Claudia Marcia Borges Barreto Doutora/Professora/Pesquisadora, Departamento de Imunobiologia/Instituto de Biologia/Universidade Federal Fluminense Outeiro São João Batista - Campus Valonguinho: Centro, Niterói - RJ CEP 24210-130: Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.18264/eadf.v6i2.381

Resumo

Descrevemos o processo de criação colaborativa de um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de acordo com os princípios das metodologias ativas de ensino e a sua avaliação. O ambiente virtual foi usado no apoio ao ensino presencial. Participaram dessa experiência híbrida de aprendizagem estudantes da disciplina Imunobiologia, oferecida no primeiro ano de um curso tradicional de graduação em Medicina. Ao término da disciplina, foi aplicado um questionário para avaliar a facilidade de uso e a percepção dos estudantes sobre a qualidade do aprendizado adquirido. A maioria dos estudantes que avaliaram a intervenção pedagógica afirmou que o ambiente foi fácil de usar, atendeu às expectativas de apoio ao ensino presencial e as atividades didáticas foram importantes para o aprendizado de habilidades como reflexão, pesquisa e discussão. Portanto, o ambiente virtual desenvolvido foi bem-sucedido e bem-aceito pelos estudantes.


Palavras-chave: Educação a distância, Moodle; Ensino de Imunologia, Mapa conceitual.
?

 


Evaluation of a Virtual Learning Environment of Immunology

Abstract


We herein describe the process of collaborative creation and evaluation of a Virtual Learning Environment of Immunology according to the principles of active learning. The Web-based platform was used in support of face to face classroom teaching. First year Medicine undergraduate students attending Immunobiology? course participated in this blended learning experience. At the end of the course, a questionnaire was applied to evaluate the ease of use and the students' perception of the quality of the acquired learning. Most students assessed the educational intervention said that the environment was easy to use, supports the classroom teaching and the educational activities were important for learning skills such as reflection, research and discussion. Therefore, the developed virtual environment was successful and well accepted by the students.
Keywords: Distance learning, Moodle, Immunology teaching, Concept map.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Theodoro, ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE SAÚDE HERBERT JOSÉ DE SOUZA - FAETEC

Doutor/Professor/Pesquisador, Curso Técnico de Análises Clínicas/Escola Técnica Estadual de Saúde Herbert José de Souza/Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro.  Rua Clarimundo de Melo, 847 - Quintino: RJ CEP 21311-280: Brasil.

Referências

Aguilar-da-Silva, R. H., Perim, G., Abdala, I., Costa, N., Lampert, J., & Stella, R. (2009). Abordagens pedagógicas e tendências de mudanças nas escolas médicas. Rev Bras Educ Med, 33(Supl 1), 53-62.

Ausubel. (1980). Psicologia educacional: Rio de Janeiro: Interamericana. Tradução para português, de Eva Nick et al., da segunda edição

de Educational psychology: a cognitive view.

Barbosa, A. (2014). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras: tic educação 2013. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil. Disponível em: http://www.cetic.br/media/docs/.

Bardin, L. (2011). Analise de conteudo. 6-ed. Lisboa (Por): Edicoes, 70.

Brasil, M. (2001). Parecer CNE/CES 1.133/2001, de 7 de agosto de 2001: Diretrizes curriculares nacionais dos cursos de graduação em enfermagem, medicina e nutrição. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ces1133.pdf.

Brasil, M. (2003). Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Biomedicina. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/.

Brasil, M. (2004). Portaria no 4059 de 10 de dezembro de 2004. Trata da oferta de disciplinas na modalidade semi-presencial em cursos superiores já reconhecidos. Diário Oficial da União de 13 de dezembro de 2004., Seção 1, p.34. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/.

Brasil, M. (2014). Parecer CNE/CES 116/2014, de 6 de junho de 2014: Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/.

Cavalcante, M. T. L., & Vasconcellos, M. M. (2007). Tecnologia de informação para a educação na saúde: duas revisões e uma proposta. Ciência & Saúde Coletiva, 12(3), 611-622.

Commons Corporation, C. (2011). The power of open. Acesso em 14 de outubro de 2015. Disponível em: http://thepowerofopen.org/.

De Oliveira, J. M. P., Fernandes, C. T., Ramos, E. S., Jacinto, A., Vilela, F., & Ajukas, D. (2005). Processo de Prototipação da Interação em STI que Utiliza a Aprendizagem Baseada em Problemas como Proposta Pedagógica. Paper presented at the Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/423.

Debard. (2005). Science and society - The influence of the Internet on immunology education. Nature Reviews Immunology, 5(9), 736-740. Disponível em: http://www.nature.com/nri/journal/v5/n9/full/nri1687.html.

Felizardo, M. H. V., & Costa, F. A. (2012). A Formação de Professores e a Integração Das Tic No Currículo: Com Que Formadores? . Paper presented at the Actas do II Congresso TIC e Educação. Disponível em: http://ticeduca.ie.ul.pt/atas/pdf/55.pdf.

Ferraz, A., & Belhot, R. V. (2010). Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos, 17(2), 421-431.

Filatro, A. (2008). Design instrucional na prática: São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Johnson, K. (2013). Facilitating Cooperative Learning In Online and Blended Courses: An Example from an Integrated Marketing Communications Course. American Journal of Business Education (Online), 6(1), 33. doi: http://dx.doi.org/10.19030/ajbe.v6i1.7481.

Krathwohl, D. R. (2002). A revision of Bloom's taxonomy: An overview. Theory into practice, 41(4), 212-218. Disponível em: http://www.unco.edu/cetl/sir/stating_outcome/documents/Krathwohl.pdf.

Libardi, D. A. (2011). O papel do professor universitario na construção do conhecimento. Revista de Educação, 13(15), 9-26. Disponível em: http://pgsskroton.com.br/seer/.

License, G. P. (2007). Free Software Foundation. Acesso em 14 de outubro de 2015, Disponível em: http://fsf.org/.

Likert, R. (1932). A technique for the measurement of attitudes. Archives of psychology.

Lima, A. (2011). TIC na educação no Brasil: O acesso vem avançando. E a aprendizagem. Bilíngue Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil: TIC Educação, 27-33. Disponível em: http://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/tic-educacao-2011.pdf.

Lüdke, M., & André, M. E. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas: Editora Pedagógica e Universitária.

Mayrose, J. (2012). Active Learning Through The Use Of Virtual Environments. American Journal of Engineering Education (AJEE), 3(1), 13-18. doi: http://dx.doi.org/10.19030/ajee.v3i1.6885.

Mitre, S. M., Siqueira-Batista, R., Girardi-de-Mendonça, J. M., Morais-Pinto, N. d., Meirelles, C. d. A. B., Pinto-Porto, C., . . . Hoffmann, L. M. A. (2008). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc saúde coletiva, 13(2), 2133-2144. doi: http://dx.doi.org/10.19030/ajee.v3i1.6885.

Moodle. (2015). Moodle Documentation. Acesso em: 01 de maio de 2015, disponível em: http://moodle.org/.

Novak, J. D., & Cañas, A. J. (2008). The theory underlying concept maps and how to construct and use them. Florida Institute for Human and Machine Cognition, 2008.

Ryan, R. S. (2013). The effect of online discussion forums on student learning and student perception of learning in a science course at the community college level. Disponível em: http://aquila.usm.edu/cgi/.

Salvador, D. F., Rolando, L. G. R., Almeida, C. d. M., & de Mello, J. A. (2015). Mudança de cultura no uso de tecnologias educacionais: estudo de caso no modelo semipresencial do Cederj. EAD em FOCO, 5(1). doi:10.18264/eadf.v5i1.313.

Santa-Rosa, J. G., & Struchiner, M. (2011). Tecnologia educacional no contexto do ensino de histologia: pesquisa e desenvolvimento de um ambiente virtual de ensino e aprendizagem. Rev Bras Educ Med, 35(2), 289-298. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022011000200020.

Turpen, C., & Finkelstein, N. D. (2010). The construction of different classroom norms during Peer Instruction: Students perceive differences. Physical Review Special Topics-Physics Education Research, 6(2), 0201231-02012322. doi:

http://dx.doi.org/10.1103/PhysRevSTPER.6.020123.

Vigotski, L. S. (1998). A formação social da mente: São Paulo: Martins Fontes.

Publicado

2016-08-26

Como Citar

Theodoro, A., Teixeira, G. A. P. B., & Barreto, C. M. B. (2016). Avaliação de um Ambiente Virtual de Aprendizagem de Imunologia. EaD Em Foco, 6(2). https://doi.org/10.18264/eadf.v6i2.381

Edição

Seção

Estudos de Caso

Most read articles by the same author(s)