A Teoria Educacional de Ausubel e a Interação Docente-Discente Sob o Olhar Vigotskiano Durante uma Pandemia: uma Breve Reflexão

Autores

Resumo

O tema deste artigo surge em meio às dificuldades enfrentadas durante a pandemia do coronavírus, destacando a necessidade de prosseguir o conteúdo didático sem o uso de salas de aula físicas. Inicialmente, a rápida inclusão das tecnologias digitais de informação comunicação, como forma de contornar os impactos do isolamento social no ensino, é discutida pontuando cuidados e estratégias fundamentais que docentes precisam ter em mente. A partir disto, é feita uma reflexão pautada na teoria Ausubeliana, onde os cuidados com a significação dos conceitos e os conhecimentos prévios do estudante são fundamentais. Ainda, pontos pertinentes acerca da nova interação docente-discente são brevemente discutidos com base nas ideias de Vigotski. Conclui-se deste levantamento que a profissão docente está sujeita a desafios inimagináveis, como a necessidade de se reinventar rapidamente. Ainda, as teorias e pensamentos de Ausubel e Vigotski se demonstram imunes às intempéries temporais, sendo úteis para traçar planejamentos iniciais e de longo prazo em meio a uma pandemia.

Palavras-chave: COVID-19. SARS-CoV-2. Ensino. Tecnologia digital de informação e comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMANTE, L. As TIC na Escola e no Jardim de Infância: motivos e factores para a sua integração. Revista de ciências na educação, n.3, p.51-64, 2007. Disponível em: <http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/61>. Acesso em: 27 maio 2021.

ANDERSEN, G. K. et al. The proximal origin of SARS-CoV-2. Nature Medicine, n.26, p.450-452, 2020. doi: https://doi.org/10.1038/s41591-020-0820-9

ARGOTE, L; McEVILY, B.; REAGANS, R. Introduction to the Special Issue on Managing Knowledge in Organizations: Creating, Retaining, and Transfering Knowledge. Management Science, v.49, n.3, p.v-viii, 2003. Disponível em: <https://pubsonline.informs.org/doi/10.1287/mnsc.49.4.0.14421>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.1287/mnsc.49.4.0.14421

ARROIO, A; GIORDAN, M. O Vídeo Educativo: aspectos da organização do ensino. Química Nova na Escola, n.24, p.8-11, 2006. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc24/eqm1.pdf>. Acesso em: 27 maio 2020.

ASHTON, J.; NEWMAN, L. An unfinished synphony: 21st century teacher education using knowledge creating heutagogies. British Journal of Educational Technology, v.37., n.6, p.825-840, 2006. doi: 10.1111/j.1467-8535.2006.00662.x

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. 2ª Edição. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BENETTI, B.; RAMOS, E. M. F. Atividades experimentais no Ensino de Ciências no nível Fundamental: perspectivas de professoras dos anos iniciais. In: IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC, 2013, São Paulo. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC, São Paulo: ABRAPEC, 10-14, nov. 2013. p.1-8. Disponível em: < Processo nº 543/2008 (abrapecnet.org.br)>. Acesso em: 27 maio 2021.

BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, A. L. T. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 13ª Edição. São Paulo: Saraiva, 1999.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro04.pdf>. Acesso em: 27 maio 2020.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf>. Acesso em: 27 maio 2020.

COELHO, L.; PISONI, S. Vygotsky: sua teoria e a influência na educação. Revista e-Ped, Faculdade Ceneticista de Osório – FACOS/CNEC, v.2, n.1, p.144-152, 2012. Disponível em: <http://www.facos.edu.br/publicacoes/revistas/e-ped/agosto_2012/#/page/145>. Acesso em: 27 maio 2021.

CORREIA, S. L. C. P. et al. Educação Mediada por Tecnologias e Distanciamento Social: Experiência Docente na Educação Básica. EaD em Foco, v. 10, n. 3, e1237, 2020. doi: https://doi.org/10.18264/eadf.v10i3.1237

DUTRA, J. M.; SITOIE, C. L. O Ensino a Distância em Tempos de Pandemia e suas Adequações, Interações, Afetividades e Resultados. EaD em Foco, v. 10, n. 3, e1085, 2020. doi: https://doi.org/10.18264/eadf.v10i3.1085

FARIA, S. B. S. C. .et al Conhecimentos Prévios Sobre Meios Digitais e Desempenho no Ensino Remoto Durante a Pandemia COVID-19. EaD em Foco, v. 10, n. 3, 2021. Disponível em: < Vista do Conhecimentos Prévios Sobre Meios Digitais e Desempenho no Ensino Remoto Durante a Pandemia COVID-19 (cecierj.edu.br)>. Acesso em 27 maio 2021.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 23ª Edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25ª Edição. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GEHLEN, S. T.; MALDANER, O. A.; DELIZOIKOV, D. Momentos Pedagógicos e as Etapas da Situação de Estudo: complementaridades e contribuições para a educação em ciências. Ciência e Educação (Bauru), Bauru, v.18, n.1, p.1-22, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132012000100001 . Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.1590/S1516-73132012000100001

GONÇALVES, F. P.; GALIAZZI, M. C. A natureza das atividades instrumentais no ensino de Ciências: um programa de pesquisa educativa nos cursos de Licenciatura. In: ROQUE, Moraes; RONALDO, Mancuso. (Org.). Educação em Ciências: produção de currículos e formação de professores. 1ª Edição. Ijuí: Unijuí, 2004.

LAI, Chih-Cheng et al. Severe acute respiratory syndrome coronavirus 2 (SARS-CoV-2) and coronavirus disease-2019 (COVID-19): The epidemic and the challenges. International Journal of Antimicrobial Agents, v.55, n.3, 2020. doi: https://doi.org/10.1016/j.ijantimicag.2020.105924

MIRANDA, G. L. Limites e possibilidades das TIC na educação. Revista de ciências na educação, n.3, p.41-50, 2007. Disponível em: <http://sisifo.ie.ulisboa.pt/index.php/sisifo/article/view/60>. Acesso em: 27 maio 2021.

MOREIRA, M. A. Al final, qué es aprendizaje significativo? Revista Qurriculum, v.25, p.29-56, 2012. Disponível em: <https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/96956/000900432.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: http://hdl.handle.net/10183/96956

MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa: um conceito subjacente. Aprendizagem Significativa em Revista, v.1, n.3, p.25-46, dez., 2011(a). Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/asr/?go=artigos&idEdicao=3>. Acesso em: 27 maio 2021.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. 2ª Edição. São Paulo: Centauro. 2001.

MOREIRA, M. A. Meaningful learning: from the classical to the critical review. Aprendizagem Significativa em Revista, v.1, n.1, p.1-15, 2011(b). Disponível em <http://www.if.ufrgs.br/asr/artigos/Artigo_ID1/v1_n1_a2011.pdf>. Acesso em: 27 maio 2021.

MOREIRA, M. A. Unidades de Enseñaza Potencialmente Significativas – UEPS. Aprendizagem Significativa em Revista, v.1, n.2, p.43-63, 2011(c). Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/asr/?go=artigos&idEdicao=2>. Acesso em: 27 maio 2021.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8ª Edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

NASCIMENTO, P. X. S.; ROMANOWSKI, J. P. Contribuições da formação continuada para professores universitários ingressantes. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 28, n. 1, 2020. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/13022>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: http://dx.doi.org/10.17058/rea.v28i1.13022

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprender a aprender. 1ª Edição. Lisboa: PARALELO EDITORA, LDA, 1984.

NOVAK, J. D. Learning, Creating and Using Knowledge: concept maps as facilitative tools in schools and corporations. Second Edition. New York: Routledge, 2010.

OLIVEIRA, M. K. VYGOTSKY: Aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. 4ª Edição. São Paulo: Scipione, 1997.

PAN, Y. et al. Viral Load of SARS-CoV-2 in clinical samples. The Lancet Infectious Diseases, v.20, n.4, p.411-412, 2020. Disponível em: <https://www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(20)30113-4/fulltext?rss=yes>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.1016/S1473-3099(20)30113-4

PELIZZARI, A. et al. Teoria da Aprendizagem Significativa Segundo Ausubel. Rev. PEC, Curitiba, v.2, n.1, p.37-42, jul. 2001/jul. 2002. Disponível em: < http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012381.pdf>. Acesso em: 27 maio 2021.

RAMÔA, H. N.; BARBOSA, L. R. S.; SILVEIRA, S. M. V. Não Somos Robôs: a Afetividade como Processo Pedagógico no Ensino Fundamental II Durante as Aulas Remotas. EaD em Foco, v. 10, n. 2, e1306, 2020. Disponível em: < Não Somos Robôs: a Afetividade como Processo Pedagógico no Ensino Fundamental II Durante as Aulas Remotas | EaD em Foco (cecierj.edu.br)>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.18264/eadf.v11i2.1306

REGO, T. C. Vygotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 1ª Edição. Petrópolis: Vozes, 1995.

RIBEIRO, C. V.; CAVALCANTI, M.; PIMENTEL, A. Abre a câmera, por Favor”: Aulas Remotas no Ensino Superior, uma Abordagem Fenomenológica. EaD em Foco, v. 11, n. 2, 2021. Disponível em: < Abre a câmera, por Favor”: Aulas Remotas no Ensino Superior, uma Abordagem Fenomenológica | EaD em Foco (cecierj.edu.br)>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.18264/eadf.v11i2.1269

RIBEIRO, T. N.; SOUZA, D. N.; MOREIRA, M. A. O Mapa Conceitual como Instrumento de Avaliação de uma Unidade de Ensino Potencialmente Significativa (UEPS) Sobre o Conteúdo Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. Aprendizagem Significativa em Revista, v.8, n.1, p.21-37, 2018. Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/asr/?go=artigos&idEdicao=28>. Acesso em: 27 maio 2021.

ROCHA, C. E. S.; SPOHR, C. B. O uso de mapas conceituais como instrumento didático para identificar indícios de aprendizagem significativa em diferentes níveis de ensino. Investigações em Ensino de Ciências, v.21, n.3, p.23-52, 2016. Disponível em: <https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/219>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v21n3p23

SANTOS, F. M. T.; SILVA, J. B. O Uso dos Mapas Conceituais como Ferramenta de Avaliação Formativa na Educação Química. Aprendizagem Significativa em Revista, v.8, n.1, p.49-60, 2018. Disponível em: <http://www.if.ufrgs.br/asr/?go=artigos&idEdicao=28>. Acesso em: 27 maio 2021.

SALOMON, G.; PERKINS, D. N. Learning in wonderland: What computers really offer education? In: Kerr, S (Ed.). Technology and the future of education. Chicago: Chicago University Press, 1996.

TRINDADE, J. O.; HARTWIG, D. R. Uso Combinado de Mapas Conceituais e Estratégias Diversificadas de Ensino: uma análise inicial das ligações químicas. Química Nova na Escola, v.34, n.2, p.83-91, 2012. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/edicao.php?idEdicao=6>. Acesso em: 27 maio 2021.

VERAS, P. P. S. et al. Professor Criativo: uma Oficina de Divulgação das Tecnologias Digitais para Auxiliar o Processo de Ensino-Aprendizagem. EaD em Foco, v. 11, n. 2, e1308, 2021. Disponível em: < Professor Criativo: uma Oficina de Divulgação das Tecnologias Digitais para Auxiliar o Processo de Ensino-Aprendizagem | EaD em Foco (cecierj.edu.br)>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.18264/eadf.v11i2.1308

WANG, C. et al. A novel coronavirus outbreak of global health concern. The Lancet, v.395, n.10223, p.470-473, 2020. Disponível em: <https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)30185-9/fulltext>. Acesso em: 27 maio 2021. doi: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30185-9

Publicado

2021-08-26

Como Citar

Lessa, R. C. da S. (2021). A Teoria Educacional de Ausubel e a Interação Docente-Discente Sob o Olhar Vigotskiano Durante uma Pandemia: uma Breve Reflexão. EaD Em Foco, 11(1). Recuperado de https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1510

Edição

Seção

Artigos Originais