Horta Acadêmica e Ensino Superior a Distância: uma Experiência em um Polo Presencial no Rio de Janeiro

Autores

Resumo

Hortas em instituições de ensino se caracterizam como locais capazes de ampliar as relações interpessoais através da realização de atividades didáticas e de sociabilidade. Este potencial integrador pode vir a preencher lacunas relacionadas a dificuldade do estudante se adaptar às diferenças entre os ambientes físico e virtual no ensino superior a distância. Neste contexto, o objetivo deste trabalho é relatar a experiência de elaboração e manutenção de uma horta em um polo de apoio presencial situado no estado do Rio de Janeiro e que envolveu a participação das comunidades acadêmica e externa. Foram organizadas duas oficinas com 28 estudantes e nove tutores presenciais do curso de licenciatura em ciências biológicas. Utilizou-se questionários pré e pós atividade para coletar a opinião dos participantes sobre a ação proposta. Foi constatado que tanto os estudantes como os tutores presenciais vislumbraram a horta acadêmica como facilitadora do processo ensino-aprendizagem, embora 29% dos participantes tenham considerado difícil a sua implantação. Desta forma, a horta foi considerada uma experiência didática viável na EaD, promovendo espaços de práticas de ensino, pesquisa e extensão.

Palavras-chave: Educação a distância. Educação ambiental. Interdisciplinaridade. Mediação pedagógica.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fátima Kzam Damaceno de Lacerda , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Com formação em Licenciatura em Química e em Engenharia Química pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ, 1985 e 1987), possui Mestrado em Tecnologia de Processos Bioquímicos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (EQ/UFRJ, 1991), Doutorado pelo Programa Multidisciplinar em Meio Ambiente da UERJ (PPGMA/UERJ, 2012) e Especialização nas áreas de Educação Matemática (FFSD-NF, 2002) e Planejamento, Implementação e Gestão em Educação a Distância (UFF, 2010). Foi Professora efetiva da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, de 1994 a 2018, tendo se aposentado por tempo de serviço. Atuou no Instituto de Química (DTPB/IQ/UERJ), de 1994 a 2003; na diretora do Polo de Educação a Distância de Nova Friburgo (CEDERJ), de 2003 a 2011; na Diretora Adjunta de Tutoria da Fundação CECIERJ, de 2012 a 2013 e na Subreitoria de Graduação (COPEI/SR-1/UERJ), de 2013 a 2018. Foi procientista da UERJ/FAPERJ de 2017 a 2018. Atualmente colabora com a instituição como Coordenadora Adjunta da Universidade Aberta do Brasil (UAB). Nos Cursos de Pós-Graduação stricto sensu em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos (ProfÁgua) e Ensino de Biologia (PROFBIO) ministra a disciplina Metodologia da Pesquisa e orienta trabalhos de mestrado. No curso de Licenciatura semipresencial em Ciências Biológicas é coordenadora da disciplina TCC1. Possui experiência na área de Bioquímica, Processos Bioquímicos e Educação, com ênfase em Educação a Distância, principalmente nos seguintes temas: educação em ciências, educação ambiental, ciências ambientais, formação de professores e gestão compartilhada das águas.

Referências

ARAÚJO, A. M. et al. Avaliação da viabilidade da implementação de horta comunitária em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão. VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí, VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013. Disponível em: <https://bambui.ifmg.edu.br/jornada_cientifica/2013/resumos/agronomia/4.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2020.

CAPRA, F. Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo

sustentável. São Paulo: Editora Pensamento/Cultrix, 2005.

CORDEIRO, J. C. S.; COSTA, A. C. G.; MURATA, A. T. Utilização de horta vertical como ferramenta pedagógica para educação ambiental em uma escola pública de Pontal do Paraná. Revista Educação Ambiental Em Ação, v. XIII, n. 50, 2014. Disponível em: <http://revistaea.org/pf.php?idartigo=1936>. Acesso em: 7 jul. 2015.

COSTA, M. L. F.; KNUPPEL, M. A. C. As representações sociais do trabalho do tutor presencial: limites e possibilidades. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial, n. 4, p. 191-209, 2014. Editora UFPR.

CRIBB, S. L. S. P. A horta escolar como elemento dinamizador da educação ambiental e de hábitos alimentares saudáveis. In: VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, 2007. Anais [...], Florianópolis: UFSC, p. 1-10 (287), 2007. Disponível em: <http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/vienpec/CR2/p287.pdf>. Acesso em: 1 ago. 2015.

CRIBB, S. L. S. P. Contribuições da educação ambiental e horta escolar na promoção de melhorias ao ensino, à saúde e ao ambiente. REMPEC - Ensino, Saúde e Ambiente, v.3, n. 1, p. 42-60, Abril 2010.

FERNANDES, M. C. Orientação para implantação e implementação da horta escolar. 3ºedição. Brasília: Ministério da Educação, 2009.

FORPROEX. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: FORPROEX, 2012. Disponível em: <http://www.renex.org.br/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf >. Acesso em: 20 mar. 2020.

GONZALES, M. A arte da sedução pedagógica na tutoria em Educação a distância. In: 11º Congresso Internacional de Educação a distância, ABED, Salvador, Bahia, 2004. Anais [...], Salvador, 2004. Disponível em: <http://www.abed.org.br/congresso2004/por/htm/001-TC-A1.htm>. Acesso em: 7 jul. 2015.

KHER, A. L. K.; PORTUGAL, A. S. Horta escolar: cultivando o ensino de ciências. Revista Aproximando, v. 1, n. 1, p.1-10, 2015.

LACERDA, F. K. D.; ESPINDOLA, R. M. Evasão na Educação a Distância: um estudo de caso. Revista EaD em Foco, v. 3, n. 1, p. 96-108, 2013.

LACERDA, F. K. D.; OLIVEIRA, I. B. Os polos de apoio presencial no estado do Rio de Janeiro: que espaços tempos são esses? Em Rede. Revista de Educação a Distância, v. 4, n. 2, p. 303-316, 2017.

LEMOS, E.S. et al. A importância da extensão universitária na formação docente: uma experiência no curso semipresencial de Ciências Biológicas. In: V Encontro Nacional de Ensino de Ciências e do Ambiente, Niterói, Rio de Janeiro, 2018. Anais [...].Niterói/RJ: UFF, 2018, p.1-10.

LUGON, C. T.; COSTA, M. S.; LACERDA, F. K. D. Viver Jardim: Aprendendo e ensinando com as plantas. In: V Encontro Nacional de Ensino de Ciências e do Ambiente, Niterói, Rio de Janeiro, 2018. Anais [...]. Niterói/RJ: UFF, 2018, p.1-10.

LUGON, C. T.; LACERDA, F. K. D.; SABA, C. C. A. N. Jardinando, ensinando e aprendendo: uma experiência de extensão em um polo EaD do Rio de Janeiro. In: XVI Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância/ V Congresso Internacional de Educação Superior a Distância. Teresina, Piauí. 2019. Anais [...]. Teresina, Piauí: UFPI, 2019, p.1-10.

MARINO, A. L.; PASSOS, J. F.; MAGALHÃES, A. F. Redes sociais como mecanismos de otimização no processo de educação a distância (EaD). In: SILVA, A.; ROCHA, H.; MOURA, G.; OLIVEIRA, J. A. Gestão e Tecnologia na Educação, v. 1, Belo Horizonte, MG: Poisson, 2018, p. 30-41.

MARTINS, T. S. L. Educando com a horta escolar. Eco do bem. 2015. Disponível em: <https://ecodobem.com.br/projetos/educandocomahortaescolar/>. Acesso em: 08 abr. 2015.

MORGADO, F. S.; SANTOS, M. A. A. A horta escolar na educação ambiental e alimentar: Experiência do Projeto Horta Viva nas escolas municipais de Florianópolis. EXTENSIO, Revista Eletrônica de Extensão, UFSC,v. 5, n. 6, p. 1-10, 2008.

NUÑEZ, M. E. C. Tendencias en el diseño educativo para entornos de aprendizajedigitales. Revista Digital Universitaria, v. 5. n. 10, p. 2-26, 2004.

OLIANI, S. Plásticos, como se dá a reciclagem e no que se transforma? ECycle, 2013. Disponível em: <http://www.ecycle.com.br/component/content/article/35/711-plasticos-como-se-da-a-reciclagem-e-no-que-se-transformam.html> Acesso em: 08 mar. 2015.

OLIVEIRA, I. B. (Org.). Alternativas emancipatórias em currículo. São Paulo: Cortez Editora, 2004.

ORTEGA, M. A. O trabalho em grupo como estratégia para o desenvolvimento do projeto Horta: experiência vivenciada no ensino de Biologia. 2008. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2008.

ROCHA, A. P. Horta escolar: A Interseção entre educação ambiental e o ensino de Ciências. 2009. 101 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, Instituto de Biologia, 2009.

SILVA, R.F. et al. Horta Agroecológica como Ferramenta de Ensino e Educação Ambiental. In: XIII Jornada de ensino, pesquisa e extensão. UFRPE: Recife, 2013. Anais [...]. Recife: UFRPE, p. 1-3, 2013. Disponível em: <http://www.eventosufrpe.com.br/2013/cd/resumos/r0416-1.pdf>. Acesso em: 14 fev. 2021.

SOUZA, M. P.; MAZIN, D. P.; LACERDA; F. K. D. Evasão na educação a distância: uma análise do curso de Licenciatura em Geografia no Polo EaD de Nova Friburgo/RJ. Revista Tessituras, n. 6, 2015, p. 148-162.

TIBA, I. Ensinar aprendendo: como superar os desafios do relacionamento professor-aluno em tempos de globalização. São Paulo: Gente, 2005.

VILLARDI, R; OLIVEIRA, E. G. Tecnologia na educação: uma perspectiva sociointeracionista. Rio de Janeiro: Dunya, 2005.

Publicado

2021-07-22

Como Citar

Pereira, M. ., Portugal, A. dos S. ., & Lacerda , F. K. D. de . (2021). Horta Acadêmica e Ensino Superior a Distância: uma Experiência em um Polo Presencial no Rio de Janeiro. EaD Em Foco, 11(1). Recuperado de https://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/1399

Edição

Seção

Estudos de Caso

Most read articles by the same author(s)