Para além da Oferta de Unidades Curriculares: Uma Possibilidade Inclusiva para Estudantes Aspies por meio de Plataformas Virtuais

Jonathan Rosa Moreira, Everson da Silva Barros, Jefferson Bruno Pereira Ribeiro

Resumo


As instituições de educação superior ofertam as unidades curriculares por semestre em função do quantitativo de estudantes e de sua infraestrutura física. Quando o enfoque está nas instituições privadas, é razoável que esse controle seja ainda mais persistente e com processos definidos porque afeta diretamente sua sustentabilidade. Considerando as unidades curriculares que utilizam salas de aula convencionais, a quantidade de estudantes alocados por turma é feita sobre o quantitativo convencionado, e não necessariamente pelo perfil dos estudantes. No processo de ensino e aprendizagem, os professores precisam planejar sua organização didático-pedagógica em função do perfil e da pluralidade diagnosticada na turma. Há, portanto, uma dualidade de processos acadêmicos, cada um com sua importância. Por um lado, há de se garantir a situação financeira da instituição. Por outro lado, há de primar pela qualidade do processo de ensino e aprendizagem, considerando a diversidade e os diferentes estilos de aprendizagem. O objetivo deste estudo foi apresentar uma proposta de itinerário formativo, considerando as particularidades do caso de um estudante acometido por síndrome de Asperger no curso de graduação da Faculdade Projeção de Ceilândia, Distrito Federal. Para tanto, optou-se por uma abordagem mista, do tipo documental e descritivo, com cinco etapas definidas para a construção de um itinerário formativo com base na tipologia de conteúdos, taxonomia de Bloom e aprendizagem adaptativa, mediado por ambiente virtual de aprendizagem. Uma estratégia metodológica mediada por educação a distância pode ser viável para mitigar as limitações e dificuldades características da síndrome de Asperger.

Palavras-chave: Oferta Acadêmica. Educação Inclusiva. Síndrome de Asperger.

 


Beyond Curricular Units Offering: An Inclusive Possibility for AspiesStudents Through Virtual Platforms

Abstract


Higher education institutions offer curricular units per semester according to the number of students and their physical infrastructure. When the focus is on private institutions, it is reasonable that this control is even more persistent and with defined processes because it directly affectstheir sustainability. Considering the curricular units that use conventional classrooms, the number of students allocated per class is made on the agreed quantity, and not necessarily by the student profile. In the teaching and learning process, teachers need to plan their instructional-pedagogical organization according to the student’s profile and plurality in the classroom. There is therefore a dualism of academic processes, each with its importance. On the one hand, the financial situation of the institution must be guaranteed. On the other hand, we must strive for the quality of the teaching and learning process, consideringthe diversity and different learning styles of the students. The aim of this study was to present a proposal fora recommended curriculum considering the particularities of an undergraduate student with Asperger's Syndrome at Projeção de Ceilândia College, Distrito Federal. For that, a mixed approach was chosen, documentary and descriptive, with five stages defined based on content typology, Bloom taxonomy, and adaptive learning mediated by a virtual learning environment. A methodological strategy mediated by distance education may be feasible to mitigate the limitations and difficulties of Asperger’s Syndrome.



Keywords: Academic offerings. Inclusive education. Asperger's Syndrome.


Palavras-chave


Oferta Acadêmica; Educação Inclusiva; Síndrome de Asperger; Educação a Distância.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D.P. Educational Psychology: A Cognitive View. New York, Holt, Rinehart and Winston, 1968.

BARROS, A. J. da S.; LEHFELD, N.A. de S. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. Pearson, 2007.

BLOOM, B. S. What we are learning about teaching and learning: a summary of recent research. Principal, v. 66, n. 2, p. 6-10, 1986.

BURGOINE, E; WING, L. Identical triplets with Asperger’s Syndrome. Br J Psychiatry v.143, p.261-265, 1983.

CLARKE, J.; VAN AMEROM, G. Surplus suffering: differences between organizational understandings of Asperger's syndrome and those people who claim the 'disorder'. Disability & Society. v.22, n.7, p.761–76, 2007.

CRESWELL, J. W. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

DIAS, Paulo. Comunidades de aprendizagem na web. In.: Conselho Nacional de Educação (org.). Ata do Seminário Redes de Aprendizagem, Redes de Conhecimento, Portugal, Conselho Nacional de Educação, p.85-94, 2002.

FERRAZ, A. P. C. M. et al. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010.

MCPARTLAND, J.; KLIN, A. Asperger's syndrome. Adolesc Med Clin. v. 17, n. 3. p.771–788, 2006.

KELLNER, Felipe Luis et al. Aplicação da programação linear na resolução do problema de ensalamento. Anais do EVINCI-UniBrasil, v. 1, n. 2, p. 181-181, 2015.

KLIN, Ami. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral Autism and Asperger syndrome: an overview. Rev Bras Psiquiatr, v. 28, n. Supl I, p. S3-11, 2006.

MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

ORRÚ, Sílvia Ester. Síndrome de Asperger: aspectos científicos e educacionais. Revista Iberoamericana de Educación, v. 53, n. 7, p. 1-14, 2010.

PROJEÇÃO, Faculdade. Núcleo de Apoio Psicopedagógico ao Estudante. Relatório Psicológico – Estudante (...), 2018.

TEIXEIRA, Paulo. Síndrome de Asperger. Universidade Lusíada, Porto, 2005.

ZABALA, Antoni. A Prática Educativa: como ensinar. Porto Alegre: artmed, 1998.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v9i1.869



Direitos autorais 2019 EAD EM FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidades consorciadas