Perfil de Uso do Espaço Virtual como Estratégia Pedagógica para a Práxis Educativa Online

Eniel do Espirito Santo, Ariston de Lima Cardoso, Adilson Gomes dos Santos, Daniela Melaré Vieira Barros, Jose António Marques Moreira

Resumo


Neste artigo analisamos o perfil de uso do espaço virtual dos estudantes como estratégia pedagógica para a práxis educativa nos ambientes virtuais de aprendizagem. Decorrente da teoria dos estilos de aprendizagem, a abordagem teórica do perfil de uso do espaço virtual pressupõe quatro estilos básicos: 1) participativo; 2) de busca e pesquisa; 3) de estruturação e planejamento; e 4) de ação concreta e produção. O estudo configura-se como um relato de experiência, realizado com a aplicação do questionário de identificação desse perfil com 159 estudantes em um curso de pós-graduação lato sensu a distância. Os dados revelaram predomínio do estilo de estruturação e planejamento no espaço virtual (40,7%), com resultados equilibrados nos estilos de busca e pesquisa (36,4%), uso participativo (36,4%) e de ação concreta e de produção (34,9%). Diante disso, os docentes do curso foram orientados a priorizar estratégias pedagógicas capazes de sequenciar a aprendizagem, partindo do estilo predominante e avançando pelos demais estilos menos desenvolvidos. O relato conclui apontando a pertinência do diagnóstico dos estilos de uso do espaço virtual para a práxis educativa online, recomendando a sua realização no início do período letivo, visando nortear o trabalho docente e elaboração das atividades didáticas.

Palavras-chave: Estilos de uso do espaço virtual. Estratégias pedagógicas.

 


Virtual Environment Usage Styles as a Pedagogical Strategy for Online Educational Praxis


Abstract
In this article we analyze the of students’ usage styles of the virtual environment as a pedagogical strategy for online educational praxis. Based on the learning styles theory, the theoretical approach of the usage styles of virtual space presupposes 4 (four) basic styles, namely: 1) participatory; 2) search and research; 3) structuring and planning and 4) concrete action and production. The article is configured as an experience report, carried out with a questionnaire application with 159 students from a postgraduate distance education course. Data revealed a predominance of structure and planning style on the virtual environment (40.7%), with balanced results in search and research style (36.4%), participatory use (36.4%) and concrete action production (34.9%). Thus, the faculty was oriented to prioritize pedagogical strategies able to sequence learning, starting from the predominant style and advancing by the others. The report concludes by pointing out the pertinence of the diagnosis of the virtual environment usage styles for the online educational praxis, recommending its implementation in the beginning of the academic term, aiming to guide the teaching work and elaboration of didactic activities.

Keywords: Virtual environment usage styles. Pedagogical strategies.

 


Palavras-chave


Estilos de uso do espaço virtual, Educação a distância, Estratégias pedagógicas

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, C. M.; Gallego, D. J. & Honey, P. (2002). Los estilos de aprendizaje: procedimientos de diagnostico y mejora. Madrid: Mensajero.

Barros, D. M. V. (2009). Estilos de uso do espaço virtual: como se aprende e se ensina no virtual? Inter-Ação: Rev. Fac. Educ., UFG, Goiânia, n. 34, v. 1, p. 51-74, jan./jun., 2009. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/download/6542/4803

Barros, D. M. V. (2014). Estilos de aprendizagem e o uso de tecnologias. São Paulo: Artesanato Educacional.

Barros, D. M. V. (2018). Estilos de aprendizagem. In: MILL, Daniel. Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. Campinas/SP: Papiros.

Freitas, J. M. A. (2013) Estilos de aprendizagem no virtual: as preferências do discente do ensino superior a distância. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica.

Moore, M. G. (2002) Teoria da Distância Transacional. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, v. 1, agosto, p. 1-14, 2002. Disponível em http://seer.abed.net.br/edicoes/2002/2002_Teoria_Distancia_Transacional_Michael_Moore.pdf

Prensky, M. (2012). From Digital Natives to Digital Wisdom: Hopeful Essays for 21st Century Education. S.l.: Corwin. Disponível em http://www.marcprensky.com/writing/Prensky-Intro_to_From_DN_to_DW.pdf

Santo, E. E.; Soares, C. Q.; Silveira, E. C. F. & Oliveira, R. P. C. (2015). A learning styles comparative study from high level students of face-to-face and distance education. Debate Universitario, Buenos Aires, n. 7, nov., p. 55-68, 2015. Disponível em http://ppct.caicyt.gov.ar/index.php/debate-universitario/article/view/6649

Serres, M. (2013). Polegarzinha: uma nova forma de viver em harmonia, de pensar as instituições, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertand Brasil.

Terçariol, A. A. L. & Barros, D. M. V. (2017). Os estilos de uso dos espaços virtuais e as redes sociais na pedagogia: um estudo exploratório. Journal of Learning Styles, Utah Valley University, v. 10, n. 20, p. 321-356, 2017. Disponível em: http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/view/377/247

United Nations. (2015). Transforming our World: The 2030 Agenda for Sustainable Development. United Nations, 2015. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/post2015/transformingourworld/publication

White, D. & Le Cornu, A. Visitors and Residents: a new typology for engagement. First Monday, Chicago, vol. 16, n. 9, 5 september, 2011. Disponível em: http://firstmonday.org/article/view/3171/3049




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v9i1.781



Direitos autorais 2019 EAD EM FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidades consorciadas