Perfil Sociodemográfico e Relação com a Tutoria de Alunos de Pedagogia EaD

Juliana Gomes Fernandes, Luciane Guimarães Batistela Bianchini, Paula Mariza Zedu Alliprandini

Resumo


Com a ampliação da Educação a Distância (EaD) no Brasil e o aumento no número de matrículas nessa modalidade de ensino, surgem reflexões e questionamentos acerca do perfil sociodemográfico e das características relacionadas ao modo de estudo dos alunos matriculados nela. O objetivo desta investigação foi identificar o perfil sociodemográfico dos alunos matriculados no curso de Pedagogia, bem como seus hábitos de estudo e sua relação com a tutoria. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de campo descritiva, com abordagem quantitativa, com 1.434 alunos de um curso de Pedagogia ofertado a distância por uma universidade particular do Norte do Paraná. A coleta foi realizada online e os dados foram submetidos à análise estatística descritiva e inferencial. Dos participantes, 1.364 eram do sexo feminino e 70 do sexo masculino; a média de idade foi de 31,2 anos; a maioria (55,5%) era casada e com renda familiar entre R$ 789,00 e R$ 1.576,00. Estavam divididos por todas as regiões do país e 91,2% declararam possuir apenas o ensino médio. A maioria (85,45%) não havia cursado outros cursos em EaD. Os respondentes informaram que preferem solucionar suas dúvidas com o tutor (58,44%) e que este contribui positivamente para a realização das atividades do curso (93,24%). Pretende-se dessa forma auxiliar a coordenação do curso pesquisado a melhorar a articulação dos projetos pedagógicos com o perfil do aluno, bem como favorecer o desenvolvimento de políticas públicas para a modalidade a distância.

 

Palavras-chave: Educação a distância. Tutoria. Formação de professores.

 


Sociodemographic Profile and Relationship Between Distance Teacher Education Students and Tutors


Abstract
With the expansion of Distance Education (DE) in Brazil and the increase in enrollment for this type of education, reflections and questions arise about the sociodemographic profile and characteristics related to the mode of study of distance education students. The aim of this investigation was to identify the sociodemographic profile of students enrolled in an online Education course, as well as their study habits and their relationship with available tutoring. For that, a descriptive field research with a quantitative approach was conducted with 1,434 students from a Teacher Education program offered at a distance by a private university in Northern Paraná. Data collection was done online and submitted to descriptive and inferential statistical analysis. Of the participants, 1,364 were female and 70 were male; the average age was 31.2 years old; the majority (55.5%) were married and with family income between R $ 789.00 and R $ 1,576.00. They were located in different regions in the country and 91.2% reported having only up to high school education. Most of them (85.45%) had not taken other courses at a distance. Respondents reported that they prefer to solve their problems with the tutor (58.44%) and that the tutor contributes positively to the accomplishment of course activities (93.24%). The study is intended to help the researched course improve the formulation of the pedagogical projects based on students’ profiles, as well as favoring the development of public policies for distance learning.

 

Keywords: Distance learning. Tutoring. Teacher training.


Palavras-chave


Educação; Educação a distância; Formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. Educação a distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, v. 10, p. 83-92, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (ABED). Censo EAD Brasil 2015: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Curitiba: InterSaberes, 2016. Disponível em: http://abed.org.br/arquivos/Censo_EAD_2015_POR.pdf. Acesso em: 11 out. 2016.

______. Censo EAD Brasil 2017: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Curitiba: InterSaberes, 2018. Disponível em: http://abed.org.br/arquivos/CENSO_EAD_BR_2018_digital_completo.pdf. Acesso em: 10 maio 2019.

BELLONI, M. L. Educação a distância. 5ª ed. São Paulo: Autores Associados, 2009.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 20 dez.1996.

______. Lei nº 13.005, de 24 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 26 jun. 2014.

______. Decreto nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998. Regulamenta o Art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 10 fev. 1998a.

______. Decreto nº 2.561, de 27 de abril de 1998. Altera a redação dos Arts. 11 e 12 do Decreto n.º 2.494, de 10 de fevereiro de 1998, que regulamenta o disposto no Art. 80 da Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 27 abr. 1998b.

______. Decreto-Lei nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o Art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 19 dez. 2005.

______. Decreto nº 6.303, de 12 de dezembro de 2007. Altera dispositivos dos Decretos nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e nº 5.773, de 9 de maio de 2006, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 12 dez. 2007.

______. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o Art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 25 maio 2017.

______. Portaria Ministerial nº 301, de 7 de abril de 1998. Normatiza os procedimentos de credenciamento de instituições para a oferta de cursos de graduação e educação profissional tecnológica a distância. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 09 abril 1998c.

CORTELAZZO, I. B. C. Tutoria e autoria: novas funções provocando novos desafios na educação a distância. EccoS Revista Científica, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 307-325, jul./dez. 2008.]

FANTINEL, P. C. et al. Autorregulação da aprendizagem: uma competência fundamental na formação do licenciado em Matemática a distância. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, 10., 2013, Belém. Anais... Belém, 2013.

FIUZA, P. J. Adesão e permanência discente na educação a distância: investigação de motivos e análise de preditores sociodemográficos, motivacionais e de personalidade para o desempenho na modalidade. 2012. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2012. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/55089/000855707.pdf?sequence=1. Acesso em: 9 out. 2016.

GODOI, M. A.; OLIVEIRA, S. M. S. S. O perfil do aluno da educação a distância e seu estilo de aprendizagem. EaD em Foco, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, 2016.

GOMES, A. A. A construção da identidade profissional do professor: uma análise de egressos do curso de Pedagogia. In: CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA, 6., 2008, Lisboa. Anais... Lisboa, 2008. Disponível em: http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/590.pdf. Acesso em: 8 out. 2016.

LESSA, S. C. F. Os reflexos da legislação de educação a distância no Brasil. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, v. 10, p. 17-28, 2011.

MARTINS, R. X. et al. O perfil sociodemográfico de candidatos a cursos de licenciatura a distância e os objetivos da Universidade Aberta do Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA, 9., 2012, Recife. Anais... Recife, 2012. p. 1-12.

MORAN, J. M. A educação a distância no Brasil: cenário atual e caminhos viáveis de mudanças. 2014. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/cenario.pdf. Acesso em: 1 ago. 2016.

NÖRNBERG, N. Os processos educativos e o papel do professor tutor na e para comunicação e interação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA, 17., 2011, Manaus. Anais... Manaus, 2011. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/192.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

OLIVEIRA, L. A. B. et al. Perfil dos alunos ingressantes no curso de Administração a distância da UFRN. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA – SEGeT, 8., 2011, Resende. Anais... Resende, 2011. Disponível em: http://www.aedb.br/seget/artigos11/29314420.pdf. Acesso em: 20 set. 2016.

PAVESI, M. A. Análise da aprendizagem autorregulada de alunos de cursos à distância em função das áreas de conhecimento, faixa etária e sexo. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2015.

PRETTI, O. Educação a distância: fundamentos e políticas. Cuiabá: EdUFMT, 2009.

SCHNITMAN, I. M. O perfil do aluno virtual e as teorias de estilos de aprendizagem. In: III SIMPÓSIO HIPERTEXTO E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO. Redes sociais e aprendizagem. NEHTE/UFPE. Anais... Recife, 2 e 3 de dezembro de 2010. Disponível em: http://www.ufpe.br/nehte/simposio/anais/Anais-Hipertexto-2010/Ivana-Maria-Schnitman.pdf. Acesso em: 17 out. 2016.

SILVA, V. L. G. Profissão: professora. In: CAMPOS, M. C. S. de S.;

SILVA, V. L. G. (Orgs.) Feminização do magistério: vestígios do passado que marcam o presente. Bragança Paulista: Edusf, 2002. p. 95-122.

VIEIRA, C. M. S.; ABREU, R. M. A. Educação a distância: uma reflexão sobre a relação professor-tutor e estudante no processo de ensino e aprendizagem. Revista Intersaberes, Curitiba, v. 11, n. 23, p. 284-303, 2016.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v9i1.801



Direitos autorais 2019 EAD EM FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS