REA e POMAR: desdobramentos de uma Educação Aberta na Cibercultura

Adriana Rocha Bruno, Ana Carolina Guedes Mattos

Resumo


O presente texto apresenta conceitos e a compreensão das autoras acerca da Educação Aberta e também seus desdobramentos, a saber: recursos educacionais abertos (REA), massive open online courses (MOOC) e Percursos Online Múltiplos, Abertos e Rizomáticos (Pomar) como movimentos contemporâneos na/da educação. A dissertação – cuja natureza se deu a partir de uma revisão de literatura – defendida em março de 2015 no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (PPGE/UFJF) foi a base para as reflexões críticas tratadas no texto sobre tais temáticas. Os estudos de Gilles Deleuze e Felix Guattari sobre multiplicidade, devir, plano de imanência e rizoma são tratados como potencializadores para maximizar a complexidade da educação contemporânea. Os REA suscitam transformações singulares na medida em que fomentam o acesso ao conhecimento produzido e o compartilhamento de ideias, recursos e produtos. Destarte, oferecem múltiplas possibilidades de materiais em variados repositórios e formatos que podem ser (re)utilizados em realidades diversas. A incorporação de REA nas práticas educacionais passa a compor esse trajeto na Educação Aberta. Produzir e socializar, colaborativamente, desdobrar, dar/ter acesso, remixar, valorizar as múltiplas produções de conhecimento existentes e incorporá-las ao consumido e ao produzido é ser um educador/aprendiz aberto.


Palavras-chave: Educação Aberta, REA, Pomar, Cibercultura.





OER and Pomar: Unfolding of Open Education in Cyberculture


Abstract

The present text exhibit concepts and the authors’ understanding about Open Education and also its splits, namely: Open Educational Resources (OER), Massive Open Online Courses (MOOCs) and Multiples Open Online Roots and Rhizome (POMAR) as contemporary movements in education. The dissertation - the nature of which was based on a literature review - defended in March 2015, in the Postgraduate Program in Education of the Federal University of Juiz de Fora (PPGE / UFJF) was the basis for the critical reflections text on such topics. The studies of Gilles Deleuze and Felix Guattari about differentiation, becoming, immanence plan and rhizome are treated as potentiators to maximize the complexity of the contemporary education. OER bring unique transformations as they foster access to the produced knowledge and for sharing ideas, resources and products. Thus, they offer multiple possibilities of materials in various repositories and formats that can be (re) used in diverse realities. The incorporation of OER in educational practices is a part of this path in Open Education. Producing and socializing, collaboratively, deploying, giving-accessing, remixing, valuing multiple existing knowledge productions and incorporating them into the consumed and produced is to be an open educator / learner.

 

Keywords: Open Education, OER, MOOC, POMAR, Cyberculture.


Palavras-chave


educação aberta; REA; POMAR; cibercultura

Texto completo:

PDF

Referências


Amiel, T. (2011). Recursos Educacionais Abertos (REA): um caderno para professores. Campinas (SP): Educação Aberta. Disponível em www.educacaoaberta.org/

Amiel, T., Orey, M., & West, R. (2010). Recursos Educacionais Abertos (REA): modelos para localização e adaptação. (pp. 112-125). In: Educação Temática Digital. Número Especial – Tecnologias na Educação. Disponível em http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1206

Autor 1. (2016). Anonimato até a aceitação do trabalho. Capítulo produzido a partir de palestras proferida no evento Anonimato, para o Livro organizado por Anonimato – editora Anônima. No prelo.

Autor 1. (2010). Anonimato até a aceitação do trabalho. In: XV Endipe Didática e prática de ensino: convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente, v.2. Belo Horizonte/MG: Autêntica.

Deleuze, G. (2011). Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva.

Deleuze, G. (1998). Diferença e repetição. (p. 283). São Paulo: Graal.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 1. Trad. Neto, A. G., & Costa, C. P. (p. 94). São Paulo: Ed. 34 (Coleção Trans).

Gallo, S. (2008). Deleuze & a educação. (2. ed, p. 96). Belo Horizonte: Autêntica.

Inuzuka, M. A., & Duarte, R. T. (2012). Produção de REA apoiada por MOOC. (p. 193–217). Disponível em www.artigos.livrorea.net.br/2012/05/producao-de-rea-apoiada-por-mooc/

Lévy, P. (1999). Cibercultura. Trad. COSTA, C. I. (p. 250). São Paulo: Editora 34.

Autor 2. (2015). Anonimato até a aceitação do trabalho. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Juiz de Fora.

Peters, O. (2004). A educação a distância em transição: tendências e desafios. Trad. Mendes, L. F. d. S. (2. ed., p. 400). São Leopoldo - RS: Editora Unisinos.

Pretto. N. L. (2012). Professores-autores em rede. In: Santana, B.; Rossini, C.; Pretto, N. L. Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. (pp. 91 - 108). São Paulo/Salvador: Casa da Cultura Digital/EDUFBA. Disponível em http://www.artigos.livrorea.net.br/2012/05/professores-autores-em-rede/

Rogers, C. R. (1997). Tornar-se pessoa. Trad. Ferreira, M. J. C. (5 ed., p. 342). São Paulo: Martins Fontes.

Santos, A. I., Cobo, C. E., & Costa. C. (2012a). Compêndio Recursos Educacionais Abertos: Casos da América Latina e Europa na Educação Superior. Rio de Janeiro: CEAD-UFF (edição trilíngue) (p. 216). Disponível em http://www.oportunidadproject.eu/en/?option=com_content&view=article&id=122&Itemid=438〈=en

Santos, A. I. (2012b). Educação aberta: histórico, práticas e o contexto dos recursos educacionais abertos. In: SANTANA, B.; ROSSINI, C.;

PRETTO, N. L. Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas (pp 71 – 89). São Paulo/Salvador: Casa da Cultura Digital/EDUFBA. Disponível em http://www.artigos.livrorea.net.br/wp-content/uploads/2012/05/REA-santos.pdf

Santos, A. I. (2011). Open Educational Resources in Brazil: State-of-the-art, Challenges and Prospects for Development and Innovation. (p. 76). Moscow: UNESCO – Institute for Information Technologies in Education. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002149/214975e.pdf




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i1.531



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS