Estilos de Aprendizagem e Ensino a Distância na Perspectiva da Inclusão

Suellen Silva dos Santos de Souza, Glauca Torres Aragon

Resumo


Este estudo analisa como a Educação a Distância pode, ao reconhecer os estilos de aprendizagem, contribuir para a inclusão educacional. Para isso, foi realizada pesquisa bibliográfica acerca da temática, considerando o período referente aos últimos cinco anos, nas bases de dados Pubmed, SciELO e Google Acadêmico. Constatou-se que os estilos de aprendizagem são importantes instrumentos a serem considerados nos processos de ensino-aprendizagem integrados à modalidade de ensino a distância, sendo esse um instrumento de política pública educacional de democratização de acesso à educação. Assim, articular os diversos estilos de aprendizagem e as propostas pedagógicas no ensino a distância resulta em um processo de viabilização de direitos para os que possuem necessidades educativas especiais ou para os que necessitem desenvolver/estimular outros estilos de aprendizagem, atendendo a políticas voltadas à inclusão educacional. Diante disso, espera-se dos diferentes sistemas de ensino maior atenção no sentido do planejamento contínuo de ações para que seja reforçada a formação continuada dos professores na temática debatida, bem como intervir para que políticas públicas educacionais vigentes, em especial a Educação a Distância, sejam efetivamente acessíveis aos estudantes com necessidades educativas especiais.

 

Palavras-chave: Educação a Distância, Inclusão educacional, Neurociências, Neuroeducação.

 

Learning Styles and Distance Education in the Perspective of Inclusion

 

Abstract


This study analyzes how distance education can, by recognizing learning styles, contribute to inclusive education. A bibliographic research in Pubmed, Scielo and Google Academic databases was done on the topic, considering as the period of investigation the last five years. It was verified that learning styles are important instruments to be considered in the teaching-learning process for distance learning, that being an instrument of an educational public policy for democratic access to education. Thus, considering the different learning styles on pedagogical proposals in distance learning results in a process of making rights available to those with special educational needs or those who need to develop/stimulate other learning styles, taking into account policies aimed to inclusive education.

Therefore, it is expected that the different educational systems pay more attention in the planning for continuing education to reinforce the ongoing teachers’ training with the topic discussed, as well as make sure that existing public education policies, especially for distance education, be effectively accessible to students with special needs.

 

Keywords: Distance learning, Inclusive education, Neuroeducation, Neurosciences.


Palavras-chave


Educação a distância, Inclusão educacional, Neurociências, Neuroeducação

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, S. F. do & Barros, D. M. V. (2007). Estilos de aprendizagem no contexto educativo de uso das tecnologias digitais interativas. Consultado, 1(12), 1-32. Disponível em http://lantec.fae.unicamp.br/lantec/portugues/tvdi_portugues/daniela.pdf

Assencio-Ferreira, V. J. (2005). O que todo professor precisa saber sobre neurologia. (1st ed., p. 120). São José dos Campos: Pulso.

Atlasi, M. A., Moravveji, A., Nikzad, H., Mehrabadi, V. & Naderian, H. (2017). Learning styles and strategies preferences of Iranian medical students in gross anatomy courses and their correlations with gender. Anatomy & Cell Biology, 50(4), 255-260. https://doi.org/10.5115/acb.2017.50.4.255

Barros, D. M. V., Bianchi, A. M. Z., Nunes, J. S. & Cavellucci, L. (2010). Estilos de aprendizagem e educação a distância: algumas perguntas e respostas?! Journal of Learning Styles, 3(5), 135-145. Disponível em http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/view/124/87

Barros, D. M. V., García, C. A. & Amaral, S. F. do (2008). Estilo de uso do espaço virtual. Journal of Learning Styles, 1(1), 90-108. Disponível em http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/view/80

Bhagat, A., Vyas, R. & Singh, T. (2015). Students awareness of learning styles and their perceptions to a mixed method approach for learning. International Journal of Applied and Basic Medical Research, 5(4), 58-65. http://dx.doi.org/10.4103/2229-516x.162281

Brasil (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Acesso em 1 de setembro de 2017, disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm

Brasil (2017). Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Acesso em 1 de setembro de 2017, disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ato2015-

/2017/decreto/D9057.htm

Buşan, A.-M. (2014). Learning styles of medical students - implications in education. Current Health Sciences Journal, 40(2), 104-110. http://dx.doi.org/10.12865/CHSJ.40.02.04

Coelho, M. A., Dutra, L. R. & Marieli, J. (2016). Andragogia e heutagogia: práticas emergentes na educação. Revista Transformar, 8(8), 97-107. Disponível em http://www.fsj.edu.br/transformar/index.php/transformar/article/view/87

Crawford, S. Y., Alhreish, S. K. & Popovich, Nicholas G. (2012). Comparison of learning styles of pharmacy students and faculty members. American Journal of Pharmaceutical Education, 76(10), 192-197. http://dx.doi.org/10.5688/ajpe7610192

De Oliveira, G. G. (2013). Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos, 18(1), 13-24. Disponível em http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/viewFile/edu.2014.181.02/3987

Delgado, J. F. S. (2014). El cuestionario Chaea-Junior o cómo diagnosticar el estilo de aprendizaje en alumnos de primaria y secundaria. Journal of Learning Styles, 7(13), 182-201. Disponível em http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/view/90/166

Filatro, A. (2007). Design instrucional contextualizado: educação e tecnologia (2nd ed., p. 215). São Paulo: Senac.

Filatro, A. & Cairo, S. (2015). Produção de conteúdos educacionais (1st ed., p. 462). São Paulo: Saraiva.

Filipin, G., Vargas L. S., Nunes, T. & Mello-Carpes, P. (2016). Formação continuada em neuroeducação: percepção de docentes da rede básica de educação sobre a importância da neurociência nos processos educacionais. Cataventos, 1(8), 90-102. Disponível em http://revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/Cataventos/article/view/3935/852

Gardner, H. (2001). Inteligência: um conceito reformulado (1st ed., p. 347). Rio de Janeiro: Objetiva.

Groenwold, R. H. & Knol, M. J. (2013). Learning styles and preferences for live and distance education: an example of a specialisation course in epidemiology. Bmc Medical Education, 13 (1), 1-5. http://dx.doi.org/10.1186/1472-6920-13-93

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (1991). Fundamentos de metodologia científica (3rd ed., p. 270). São Paulo: Atlas.

Moura Filho, A. C. L. (2013). Pessoal e intransferível: a relevância dos estilos de aprendizagem nas aulas de línguas estrangeiras. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 13(1), 313-344. https://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982013005000003

Muruganandam, S., & Srinivasan, N. (2016). Appraisal of felder-silverman learning style model with discrete data sets. Indian Journal of Science and Technology, 9(10), 1-4. http://dx.doi.org/10.17485/ijst%2F2016%2Fv9i10%2F88992

Organização Mundial da Saúde (2004). Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde. Acesso em 1 de setembro de 2017, disponível em http://www.inr.pt/uploads/docs/cif/CIF_port_%202004.pdf

Pletsch, M. D., Souza, F. F. de & Orleans, L. F. (2017). A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 14 (35), 264-281. Disponível em http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/view/3114/1662

Salinas Alarcón, M., Lissi, M.-R., Medrano Polizzi, D., Zuzulich Pavez, M.-S. & Hojas Loret, A.-M. (2013). La inclusión en la educación superior: desde la voz de estudiantes chilenos con discapacidad. Revista Iberoamericana de Educación, 63, 77-98. Disponível em https://rieoei.org/RIE/article/view/502

Samarakoon, L., Fernando, T., Rodrigo, C. & Rajapakse, S. (2013). Learning styles and approaches to learning among medical undergraduates and postgraduates. Bmc Medical Education, 13, 42. http://dx.doi.org/10.1186/1472-6920-13-42

Sondermann, D. V. C., Albernaz, J. M. & Baldo, Y. P. (2013). Em busca da educação inclusiva na educação a distância: reflexões e possibilidades por meio do universal design for learning. Revista Pró-Discente, 19(1), 2013. Disponível em http://periodicos.ufes.br/PRODISCENTE/article/view/8746

Torres, P. R. R. C. F. & Branco, J. C. S. (2016). A tutoria presencial e a distância. Insied: EnPED - Simpósio Internacional de Educação a Distância e Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância. São Carlos, SP. Disponível em http://www.grupohorizonte.ufscar.br/ojs/index.php/2016/article/view/1448

Unesco (1994). Declaração de Salamanca: Linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Acesso em 1 de setembro de 2017, disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v8i1.668



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS