Qualidade e Educação a Distância: a Percepção dos Diplomados do Curso de Administração da Universidade Federal de Santa Catarina

Karin Vieira da Silva, João Peixoto, Anderson Sasaki Vasques Pacheco

Resumo


Tem sido divulgada a ideia de que a Educação a Distância, apesar da possibilidade de expansão do acesso ao ensino superior que comporta, sofre algumas limitações, que passam pela percepção, quer dos alunos quer de outros agentes relacionados com o ensino superior que a Educação a Distância tem frequentemente qualidade inferior aos cursos presenciais. Sabe-se pouco, porém, sobre o conteúdo e os fundamentos dessas percepções, bem como sobre a forma como elas têm evoluído no tempo. Este artigo pretende repensar essa lacuna por meio de um estudo de caso no curso de Administração a distância da Universidade Federal de Santa Catarina. Portanto, o artigo tem como objetivo verificar as percepções dos egressos do curso quanto à qualidade de seu ensino. Para o alcance desse objetivo, foram coletadas informações de ordem qualitativa, por meio de entrevistas, e quantitativa, por meio de questionários, junto aos alunos diplomados entre os anos de 2010 e 2014, em diferentes polos dos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os dados foram analisados por meio de análise de conteúdo e de análise descritiva simples. Os principais resultados apontaram, em linhas gerais, que os diplomados demonstraram estar satisfeitos com a experiência na graduação e que o curso realizado ainda sofre preconceitos relativamente à questão da qualidade e à seriedade da modalidade a distância. Entretanto, verificaram-se indicativos de que essa visão receosa vem diminuindo, sobretudo quando o curso é conduzido por instituições já consolidadas, como a Universidade Federal de Santa Catarina.


Palavras-chave:  Educação a distância, Universidade Aberta do Brasil, Percepção dos alunos.

 

Quality and Distance Education: Graduated Perceptions about Federal University of Santa Catarina Management Coursee

 

Abstract

It has been spread the idea, which distance learning, despite the possibility of expanding access to higher education, suffers from some limitations. The mainly thought, perceived both by students and other agents related to higher education, regards to the lower quality of distance education. However, there is lack of studies about the content and rationality of these perceptions, as well how they have evolved over time. This article intends to fill this gap through a case study in distance learning management course of the Federal University of Santa Catarina – Brazil. To reach this objective, it was used both qualitative and quantitative data, through interviews and through questionnaires, respectively. The sample comprised students who graduated between 2010 and 2014, in different campus of the states of Santa Catarina and Rio Grande do Sul. Data were analyzed through content analysis and descriptive analysis. The main results pointed out, in general terms, that graduates were satisfied with their undergraduate experience and that the course still suffers from misconceptions about distance education quality and seriousness. However, there have been indications that this view has been declining, especially when they are offered by good reputation institutions, such as the Federal University of Santa Catarina.


Keywords: Distance learning, Brazil Open University, Students perceptions.

 


Palavras-chave


Educação a distância; Universidade Aberta do Brasil; Percepção dos alunos

Texto completo:

PDF

Referências


Albarello, L., Digneffe, F., Hiernaux, J. P., Maroy, C., Ruquoy, D. & Saint-Georges, P. (1997). Práticas e métodos de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva.

Aretio, L. G. (1994). Educación a Distancia hoy. Madri: Universidad Nacional de Educación a Distancia.

Arieira, J. de O., Arieira, C. R. D., Fusco, J. P. A., Sacomano, J. B. & Bettega, M. O. de P. (2009). Avaliação do aprendizado via educação a distância: a visão dos discentes. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, 17(63). Disponível em: http://www.redalyc.org/html/3995/399537963007/

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Borges, E. M., Jesus, D. P. & Silva, P. A. (2014). A educação a distância como política cidadã: potências e desafios. Revista Pesquisa e Debate em Educação, (3)2, 86-99.

Bueno, J. A. R. & Soares, M. C. (2014). Educação a distância: democratização, expansão e interiorização do conhecimento no Brasil. In Simpósio Internacional de Educação a Distância e Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância (SIED:EnPED:2014) (pp. 1-10). São Paulo, SP. Disponível em: http://www.siedenped2016.ead.ufscar.br/ojs/index.php/2014/article/view/722/206.

Bunn, D. A. & Silva, E. A. S. (2014). Guia do estudante. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC.

Corrêa, S. de C. & Santos, L. M. M. dos (2009). Preconceito e educação a distância: atitudes de estudantes universitários sobre os cursos de graduação na modalidade a distância. Educação Temática Digital,11(1), 273.

Correia, I. M. & Pereira, O. P. (2006). Spillovers do conhecimento e desenvolvimento regional: evidência de Portugal. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, 13, 67-82.

EaD-UFSC (2015). Informações Gerais do Curso: Dúvidas frequentes. Acesso em maio de 2015, disponível em: https://ead.ufsc.br/administracao/duvidas-frequentes-4/.

Fontana, H. A. (2006). Uma filosofia para a Educação a Distância. In II Seminário Nacional de Filosofia e Educação (II SENAF) (pp. 1-7). Santa Maria, RS. Disponível em http://coral.ufsm.br/gpforma/2senafe/PDF/049e4.pdf

Gomes, A. (1964). O desenvolvimento socioeconómico e a educação. Análise Social, 7(8), 652-670.

Huot, R. (2002). Métodos quantitativos para as ciências humanas. Lisboa: Instituto Piaget.

Lapa, A. (2005). A formação crítica do sujeito na educação a distância: a contribuição de uma análise socioespacial. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Lessa, S. C. F. (2011). Os reflexos da legislação de Educação a Distância no Brasil. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, 10, 18–28.

Nova, C. & Alves, Lynn (2003) Educação a Distância: limites e possibilidades. Educação à distância: uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo: Futura. Acesso em 20 de maio de 2015. Disponível em: http://lynn.pro.br/pdf/livro_ead.pdf

Nunes, I. B. (2009). A história da EaD no mundo. In F. M. Litto, M. M. Formiga, (Orgs). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

OECD (2016). Glossary of Statistical Terms. Acesso em 20 de julho 2016. Disponível em: https://stats.oecd.org/glossary/detail.asp?ID=2620

Oliveira, E. G. (2003). Educação a distância na transição paradigmática. Campinas: Papirus.

Pacheco, A. S. V. (2010). Evasão e permanência dos estudantes de um curso de Administração do sistema Universidade Aberta do Brasil: uma teoria fundamentada em fatos e na gestão do conhecimento. Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina.

Quivy, R. & Campenhoud T. L. V. (2005). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva.

Reis, E. (1996). Estatística descritiva. Lisboa: Sílabo.

Rodriguez, A. G. & Caro, E. M. (2002). La formación permanente y el e-learning: la experiencia de los ingenieros de minas de España. Virtual Educa. Valencia. Acesso em janeiro de 2014. Disponível em: http://www.virtualeduca.org/virtualeduca/virtual/actas2002/actas02/1009.pdf

Silva, E. L. & Menezes, M. E. (2001). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. (3ª ed.). Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da Universidade Federal de Santa Catarina.

Silva, M. (2003). Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola.

Souza, A. C., Fialho, F. A. P. & Otani, N. (2007). TCC: métodos e técnicas. Florianópolis: Visual Books.

UAB-BR (2015a). Histórico da Universidade Aberta do Brasil. Acesso em maio de 2015. Disponível em: http://www.capes.gov.br/component/content/article?id=7838

UAB-BR (2015b). O que é a Universidade Aberta do Brasil. Acesso em maio de 2015. Disponível em: http://www.capes.gov.br/component/content/article?id=7836

UFSC (2015). Campi. Acesso em maio de 2015. Disponível em http://estrutura.ufsc.br/campi/

Víctora, C. G., Knauth, D. R. & Hassen, M. (2000). Metodologias qualitativa e quantitativa. In Pesquisa Qualitativa em Saúde: uma introdução ao tema (33-44). Porto Alegre: Tomo.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i3.596



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS