Produção Colaborativa de REA para o Ensino de Línguas: da Interação à Coautoria

Alan Ricardo Costa, Vilson José Leffa

Resumo


O objetivo do texto é discutir o papel da interação entre autores e coautores de recursos educacionais abertos (REA) para o ensino e a aprendizagem de línguas. As discussões apresentadas partem de experiências vivenciadas em um curso de capacitação de professores de Espanhol como Língua Estrangeira (E/LE) para a produção e a adaptação de REA na web. Tal curso, ministrado na modalidade Educação a Distância (EaD), com duração de oito semanas e a realização de tarefas semanais de produção de recursos abertos via ferramenta Ensino de Línguas Online (ELO), possibilitou a seguinte observação: a interação é fundamental no trabalho com REA e na filosofia de colaboração, compartilhamento e coautoria subjacente a eles. Sem interação, os professores podem não entender aspectos essenciais de um recurso, como o objetivo de um dado REA disponível online e sua perspectiva teórica, o que pode dificultar sua apropriação e/ou adaptação. Além disso, sem interação, há um esvaziamento do potencial colaborativo dos REA, por não haver debate, crítica e reflexão conjunta sobre determinado material. Conclui-se que, em cursos de capacitação, a interação deve ser estimulada para um profícuo trabalho colaborativo e em rede com REA.


Palavras-chave: Recursos educacionais abertos, Interação, Coautoria, Ensino de línguas online.

 


Collaborative Production of OER for the Teaching of Languages: from Interaction to Co-authorship

 

Abstract


The purpose of this text is to discuss the role of interaction between authors and co-authors of Open Educational Resources (OERs) for teaching and learning languages. The present discussions are based on experiences from a training course on production and adaptation of OERs on the Web for Spanish as a Foreign Language teachers. This course, taught at a Distance, in a period of eight weeks and with the accomplishment of weekly tasks, producing open resources with an Online Teaching Language tool has allowed the following observations: interaction is fundamental to the work with OERs and to the philosophy of collaboration, sharing and co-authorship underlying them. Without interaction, teachers may not understand essential aspects of a resource, such as the objective of a specific OER available online and its theoretical perspective, which may make its appropriation and/or adaptation more difficult. In addition, without interaction, there is a depletion of the collaborative potential of the OERs, because there is no debate, criticism and joint reflection on a specific material. It is concluded that, in training courses, the interaction should be stimulated, for a productive collaborative work with OERs.

Keywords: Open Educational Resources, Interaction, Co-authorship, Online Language Teaching.


Palavras-chave


Recursos Educacionais Abertos, Interação, Coautoria, Ensino de Línguas Online.

Texto completo:

PDF

Referências


Amiel, T. (2012). Educação aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. In: B. Santana, C. Rossini & N. de L. Pretto (Orgs.). Recursos educacionais abertos: práticas colaborativas e políticas públicas (pp. 17-33). Salvador: EdUFBA. Disponível em http://www.artigos.livrorea.net.br/2012/05/educacao-aberta-configurando-ambientes-praticas-e-recursos-educacionais/

Amiel, T. & Zancanaro, A. (2015). A produção acadêmica realizada em língua portuguesa sobre recursos educacionais abertos: Um estudo bibliométrico. In Workshops do IV Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE) (pp. 918-927). Maceió, AL.

Beviláqua, A. F., Costa, R. A., Fialho, V. R. & Leffa, V. J. (No prelo). Ensino de línguas online, um sistema de autoria aberto para a produção, adaptação e licenciamento de recursos educacionais abertos.

Costa, A. R. (2016). Professores de línguas "na" e "em" rede? Formação continuada de educadores para práticas abertas de (re)produção de materiais didáticos online. Dissertação de mestrado. Universidade Católica de Pelotas.

Costa, A. R., Fialho, V. R., Beviláqua, A. F. & Leffa, V. J. (2016). Contribuindo com o estado da arte sobre recursos educacionais abertos para o ensino e a aprendizagem de línguas no Brasil. Revista Veredas (online), 20(1), 1-20. Disponível em http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2016/08/Contribuindo-com-o-estado-da-arte_artigo-1.pdf.

Deleuze, G. & Guattari, F. (1995). Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Vol. 1. Rio de Janeiro: Editora 34.

Downes, S. (2007). Models for Sustainable Open Educational Resources. Interdisciplinary Journal of Knowledge and Learning Objects, 3, 29-44.

ELO. Ensino de Línguas Online. Disponível em www.elo.pro.br

Leffa, V. J. (2008). Como produzir materiais para o ensino de línguas. In: V. J. Leffa (Org.). Produção de materiais de ensino: teoria e prática (pp. 15-41). Pelotas: Educat. Disponível em http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/prod_mat.pdf

Leffa, V. J. (2012). Sistemas de autoria para a produção de objetos de aprendizagem. In: J. Braga. (Org.). Integrando tecnologias no ensino de Inglês nos anos finais do Ensino Fundamental (pp. 174-191). São Paulo: Edições SM. Disponível em http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/Sistemas_de_autoria.pdf

Leffa, V. J. (2016). Uma outra aprendizagem é possível: colaboração em massa, recursos educacionais abertos e ensino de línguas. Trabalhos em Linguística Aplicada, 55(2), 353-377. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tla/v55n2/0103-1813-tla-55-02-00353.pdf

Mallmann, E. M. & Jacques, J. S. (2013). Recursos educacionais abertos: autoria e coautoria em rede como democratização da inovação. Revista Iberoamericana de Educación (Online), 2, 1-11.

Marzari, G. Q. (2014). "Quem me ensinou o inglês que eu ensino?": a influência das tecnologias digitais na constituição da identidade do professor de línguas do século XXI. Tese de Doutorado. Universidade Católica de Pelotas.

Morin, E. (2011). Introdução ao pensamento complexo. 4ª ed. Porto Alegre: Sulina.

Okada, A. (2014). Competências chave para coaprendizagem na era digital: fundamentos, métodos e aplicações. Santo Tirso: Whitebooks.

Okada, A. (2003). Desafio para EaD: como fazer emergir a colaboração e cooperação em ambientes virtuais de aprendizagem? In: M. Silva (Org.). Educação Online (pp. 273-291). São Paulo: Loyola.

Piconez, S. C. B. & Nakashima, R. H. R. (2014). Formação permanente de educadores, REA e integração dos conhecimentos. In: A. Okada (Org.). Recursos educacionais abertos & redes sociais. São Luís: EdUEMA. Disponível em http://oer.kmi.open.ac.uk/?page_id=1273#.Vx0NyPkrLIW

Santos, A. I. dos. (2013). Recursos educacionais abertos no Brasil: o estado da arte, desafios e perspectivas para o desenvolvimento e inovação. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Vetromille-Castro, R. (2007). A interação social e o benefício recíproco como elementos constituintes de um sistema complexo em ambientes virtuais de aprendizagem para professores de línguas. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Wagner, E. D. (1994). In support of a functional definition of interaction. The American Journal of Distance Education, 8(2), 6-26.

Wiley, D. A. (2006). The current state of open educational resources. Disponível em http://opencontent.org/blog/archives/247

Wiley, D. A. (2014). The access compromise and the 5th R. Disponível em http://opencontent.org/blog/archives/3221




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i1.550



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS