Estabelecimento de critérios de qualidade para aplicativos educacionais no contexto dos dispositivos móveis (M-Learning)

Marcos Vinícius Mendonça Andrade, Carlos Fernando Araújo Jr., Ismar Frango Silveira

Resumo


Este artigo aborda os principais conceitos e abordagens aplicados no contexto da aprendizagem móvel –M-Learning. Descreve as necessidades para o estabelecimento de critérios de qualidade específicos para esta modalidade de aplicativos. Demonstra, com base em revisão de literatura, os principais atributos de qualidade que podem compor uma metodologia específica para avaliação da qualidade dos aplicativos educacionais. Propõe uma categorização dos critérios de qualidade de um aplicativo bem como estabelece um instrumento para avaliação de aplicativos para dispositivos móveis. Os critérios identificados e mapeados podem auxiliar docentes e outros profissionais na seleção de aplicativos para aprendizagem móvel de forma mais eficaz. Enfatiza as potencialidades do M-Learning para os processos de ensino e aprendizagem.


Palavras-chave: Aprendizagem móvel, Aplicativos educacionais, Critérios de qualidade, M-Learning, Educação aberta.


Quality criteria for educational applications in the context of mobile devices (M- Learning)


Abstract

This paper presents the main concepts and approaches applied in the context of mobile learning. It describes the need to establish specific quality criteria for this application mode. Shows from literature review key quality attributes that can make a specific methodology for assessing the quality of educational applications. It proposes a categorization of quality criteria for an application and establishes a tool for the evaluation of applications for mobile devices. Identified and mapped criteria can help teachers and other professionals to select applications for mobile learning moreeffectively. Emphasizes the M-Learning capabilities for teaching and learning processes.


Keywords: Mobile learning, Collaborative learning, Educational Apps, Quality criteria, Open Education.


Palavras-chave


Aprendizagem Móvel, Aplicativos educacionais, Critérios de Qualidade, M-Learning, Educação Aberta

Texto completo:

PDF

Referências


Amaral, P. G. R. (2013). Softwares matemáticos e estatísticos para tablets: uma primeira análise. Dissertação

de Mestrado. Universidade Federal Fluminense.

Andrade, M. V. M., Araújo Jr., C. F. & Silveira, I. F. (2015). Critérios de qualidade para aplicativos educacionais

no contexto dos dispositivos móveis (M-Learning). In: Jaime Sánchez (Org.). Nuevas Ideas en Informática

Educativa. (pp. 544-549). Santiago: Universidad de Chile, Facultad de Ciencias Físicas y Matemáticas.

Disponível em: http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/544-549.pdf. Acesso em 10 jan. 2016.

Andrade, M. V. M.; Silveira, I. F. (2016). Panorama da Aplicação de Massive Open Online Course (MOOC) no

Ensino Superior: Desafios e Possibilidades. EAD em Foco, 6(3). http://dx.doi.org/10.18264/eadf.v6i3.392

Andrade, M. V. M. & Vianna, A. A. (2015). Ambiente de educação a distância direcionado à formação continu-

ada de professores universitários: um estudo de caso. In: Nuevas Ideas en Informática Educativa. TISE,2016. Disponível em: http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/774-779.pdf. Acesso em 02 dez. 2015.

Araújo Jr., C. F., Silveira, I. F. & Cerri, M. S. A. (2012). Os tablets no Ensino Fundamental e Médio: estudos e

análises na direção de novas metodologias e estratégias de ensino e aprendizagem. In: C. F. Araújo Jr. & I. F.

Silveira (Org.). Tablets no Ensino Fundamental e Médio: princípios e aplicações. (pp. 7-32). São Paulo:

Terracota.

Batista, S. C. F. (2004). SoftMat: um repositório de softwares para matemática do Ensino Médio; um instrumen-

to em prol de posturas mais conscientes na seleção de softwares educacionais. Dissertação de Mestrado.

Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Carvalho, A. A. A. (org.) (2015). Apps para dispositivos móveis: manual para professores, formadores e bi-

bliotecários. Lisboa: Ministério da Educação.

Dias, E. J. & Araújo Jr., Carlos Eduardo (2014). M-plotmat-learning: possibilidades pedagógicas no ensino de

Geometria Analítica por meio do tablet. In: Tablets no Ensino Fundamental e Médio: princípios e aplica-

ções. São Paulo: Terracota.

Engestrom, Y. (1991). Activity theory and individual and social transformation. Multidisciplinary Newsletter

for Activity Theory, 7(8), 14-15.

Figueiredo, C. X. et al. (2005). Avaliação de software educacional. Lavras: Editora UFLA.

ISO/IEC 25010. System and Software engineering: System and Software Quality Requirements and Evalua-

tion (SQuaRE); System and software quality models. Switzerland, 2011.

ISO/IEC 25040. System and Software engineering: System and software Quality Requirements and Evalua-

tion (SQuaRE); Evaluation process. Switzerland, 2011.

Koschembahr, C. (2005). Mobile Learning: the next evolution. Chief Learning Officer, February, 2005.

Leontiev, A. N. (1978). Activity, consciousness and personality. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Morgado, L., Spilker, M. J. & Silva, P. (2013). Novos Ambientes de Aprendizagem PLE, MOOC, Mobile Learning.

In 2o Encontro de Bibliotecas do Ensino Superior, Aveiro.

NBR ISO/IEC 14598-1. Tecnologia de informação: avaliação de produto de software – parte 1: visão geral.

Rio de Janeiro, 2001.

NBR ISO/IEC 9126-1:2003. Tecnologia de informação: Engenharia de software; Qualidade de produto – par-

te 1: Modelo de qualidade. Rio de Janeiro, jul. 2003.

Pachler, N., Bachmair, B. & Cook, J. (2010). Mobile Learning: Structures, Agency, Practices. New York: Springer.

Portal ISO 25000 (2015). The ISO/IEC 25000 series of standards. Acesso em 28 de dezembro de 2016, dispo-

nível em: http://iso25000.com/index.php/en/iso-25000-standards

Pressman, R. S. (2011). Engenharia de software. São Paulo: Pearson.

Saccol, A., Schlemmer, E. & Barbosa, J. (2011). M-learning e u-learning: novas perspectivas das aprendizagens

móvel e ubíqua. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Schlemmer, E. et al. (2007). M-Learning ou Aprendizagem com Mobilidade: casos no contexto Brasileiro. In

o Congresso Internacional de Educação a Distância. Curitiba.

Silva, M. G. & Batista, S. C. F. (2015). Metodologia de avaliação: análise da qualidade de aplicativos educa-

cionais para Matemática do Ensino Médio. Revista RENOTE, 13(1).

Unesco. (2013). Policy Guidelines for Mobile Learning. Paris: Unesco.

Valle, P. H. D. et al. (2013). HEDEG - Heurísticas para Avaliação de Jogos Educacionais Digitais. In: Nuevas Ideas

en Informática Educativa TISE, 2013. Disponível em: http://www.tise.cl/2015por/img/TISE2013.pdf

Vilas Boas, A. L. C. (2005). Qualidade e Avaliação de Produto de Software. Lavras: Universidade Federal de

Lavras.

Wu, Wen-Hsiung et al. (2012). Review of trends from mobile learning studies: a meta-analysis. Computers

& Education, 59(2), 817-827.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i2.466



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS