Recursos Educacionais Abertos na Formação de Professor-Autor na Cibercultura

Tatiana Stofella Sodré Rossini, Edméa Oliveira dos Santos, Miriam Maia do Amaral

Resumo


 

Os praticantes culturais têm intervindo gradativamente na cultura quando criam, compartilham, reconfiguram e reúsam práticas, artefatos e expressões plurais quando imersos nas redes sociais. Para tanto, as práticas formais curriculares são cada vez mais tensionadas pelas novas formas de produção e conhecimento dentro e fora das escolas e universidades. Este trabalho tem como campo de investigação estudantes e professores da disciplina de licenciatura eletiva O Cotidiano Escolar: uma Prática Social em Construção, da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Assim, a metodologia pesquisa-formação foi adotada ao longo da investigação juntamente com as narrativas dos praticantes culturais. Identificamos que a colaboração em várias áreas do conhecimento no processo de produção de artefatos digitais abertos tem contribuído para o aumento da qualidade com vistas ao reúso, à revisão, à remixagem e à redistribuição, propiciando a reprodução da realidade a partir de imagens e narrativas digitais. Portanto, com atividades que promovam a pesquisa, a produção e o compartilhamento de recursos educacionais abertos (REA) poderão contribuir para a difusão e a consolidação da filosofia da abertura além dos muros das escolas, promovendo a formação de autores capazes de colaborar com a construção de materiais digitais de qualidade.

Palavras-chave: Recursos Educacionais Abertos, Pesquisa-formação, Professor-autor, Cibercultura.


Open Educational Resources of Teacher-author’s Formation in Cyberculture

Abstract
Cultural practitioners, immersed in social networks, have been gradually intervened in mainstream culture when create, share, reconfigure and reuse practices, artifacts and plural expressions. Thus, formal curriculum practices are increasingly tensioned by new forms of knowledge production inside and outside of schools and universities. This work has as its field the students and teachers of undergraduate elective course "The daily life in schools: a social practice in construction" of the Faculty of Education at State University of Rio de Janeiro (UERJ). To this end, the research-formation methodology has guided the work along with the narratives of cultural practitioners. We found that collaboration in various areas of knowledge in the production process of open digital artifacts have enhanced their quality with a view to reuse, review, remix and redistribute, allowing the reproduction of reality from digital images and narratives. Therefore, with activities that promote Open Educational Resources (OER) research can contribute to the spread and consolidation of the philosophy of openness beyond the walls of schools, promoting the authorship formation to collaborate in the construction of digital quality materials.

Keywords: Open Educational Resources, Research-Formation, Teacher-author, Cybeculture.


Palavras-chave


Recursos Educacionais Abertos, Pesquisa-formação, Professor-autor, Cibercultura.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, N. (2001). Decifrando o pergaminho – o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In I. Oliveira & N. Alves (Eds.). Pesquisa no/do cotidiano das escolas sobre redes de saberes (pp. 13-38). Rio de Janeiro: DP&A.

Amiel, T. (2012). Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas. In B. Santana, C. Rossini & N. Pretto (Eds.). Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital (pp. 17-33). Acesso em 15 de outubro de 2013, disponível em http://livrorea.net.br/livroREA-1edicao-mai2012.pdf

Ardoino, J. (1998). Nota a propósito das relações entre a abordagem multirreferencial e a análise institucional (história ou histórias). In J. Barbosa (Ed.). Multirreferencialidade nas ciências e na educação (pp. 42-49). São Carlos: Editora da UFSCar.

Bhabha, H. (2011). O bazar global e o clube dos cavaleiros ingleses: textos seletos. Rio de Janeiro: Rocco.

Bakthin, M. (1997). A estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes.

______. (2011). História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica.

Dias, S. (1995) Lógica do acontecimento: Deleuze e a filosofia. Porto: Afrontamento.

Espinosa, M. (2003) Aprendemos… ¿Cooperando o colaborando? Las claves del método. In F. Sánchez (Ed.). Redes de comunicación en la enseñanza – las nuevas perspectivas del trabajo corporativo (pp. 95-127). Barcelona: Paidós.

Hylén, J. (2005). Open educational resources: Opportunities and challenges. OECD-CERI. Acesso em 10 de junho de 2012, disponível em http://www.oecd.org/dataoecd/1/49/35733548.doc

Josso, M. (2002). Experiências de vida e formação. Lisboa: Educa.

Lemos, A. (2008). Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina.

Lemos, A.; Lévy, P. (2010). O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia. São Paulo: Paulus.

Macedo, R.; Macedo, S. (2012). Currículo: implicações conceituais. In A. Ramal & E. Santos. Currículos: teorias e práticas (pp. 3-17). Rio de Janeiro: LTC.

Moreira, M. (2006). Aprendizagem significativa subversiva. Série Estudos, 21, 15-32.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina.

______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez.

Nóvoa, A. (2004). Prefácio. In M. Josso. Experiências de vida e formação (pp. 11-34). São Paulo: Cortez.

Pretto, N. (2012). Professores-autores em rede. In B. Santana, C. Rossini & N. Pretto (Eds.). Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas (pp. 91-108). Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital. Disponível em http://livrorea.net.br/livroREA-1edicao-mai2012.pdf

Santaella, L. (2010). A ecologia pluralista da comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus.

Santos, E. (2006). Educação on-line como campo de pesquisa-formação: potencialidades das interfaces digitais. In E. Santos & L. Alves (Eds.). Práticas pedagógicas e tecnologias digitais (pp. 123-141). Rio de Janeiro: E-papers.

______. (2011) A cibercultura e a educação em tempos de mobilidade e redes sociais: conversando com os cotidianos. In H. Fontoura & M. Silva. Práticas Pedagógicas, Linguagem e Mídias: desafios à pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões (pp. 75-98). Rio de Janeiro, ANPEd Sudeste. Disponível em http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/ebook1.pdf

Silva, M. (2010). Sala de aula interativa: educação, comunicação, mídia clássica... São Paulo: Loyola.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v7i1.427



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Universidades consorciadas