EaD, Cérebro Global e Engenharia Reversa do Conhecimento: Modelo Hipotético de Plataforma Horizontal e o Processo de Aprendizagem a Partir das TIC

Gustavo Luiz Gava

Resumo


Este artigo apresenta o núcleo básico acerca do entendimento do Cérebro Global, bem como discute a necessidade de uma engenharia reversa do conhecimento no modelo da Educação a Distância nos países que avistam no EaD (Ensino a Distância) o futuro da educação. O fenômeno do Cérebro Global tornou-se possível graças à revolução causada pelas novas tecnologias da informação e comunicação (TIC) a partir das décadas de 1970 e 1990. Com todos esses impactos fenomênicos em nível cerebral, pode-se perceber que a maneira pela qual se processa a informação passou a ser horizontal e que o processo de aprendizagem do cérebro humano fora modificado cognitivamente. Para alcançar um nível de reflexão ética e ontológica por trás dessas questões, é necessária uma filosofia da Educação a Distância. E, ao mesmo tempo, é preciso estar ciente de que o salto cerebral não se trata mais de uma metáfora, mas sim de uma realidade da evolução tecnológica e humana que se encontra num mesmo processo emergente: a evolução concomitante. As dificuldades encontradas por diversos países que investiram no EaD tendo como proposta oferecer um novo modelo educacional têm origem na carência de emancipar o zeitgeist pedagógico vertical e instrumental. Assim, encerra-se o artigo com uma proposta hipotética (modelo de ambiente virtual de aprendizagem), ainda em construção, que fomenta potencializar o cérebro global no ensino a distância.

Palavras-chave: Cérebro Global, Engenharia Reversa do Conhecimento, Filosofia da Educação a Distância.

 

Distance Education, Brain Global and Reverse Engineering of Knowledge: The Horizontal Platform Model and The Learning Process from ICT

Abstract
This article presents the basic core about the Global Brain understanding, as well as the need for the so called reverse engineering of knowledge for the model of distance education in the countries that foster distance education as the future of education. The Global Brain phenomenon became possible due to the revolution caused through the new information and communication technologies (ICT) in the 1970s and 1990s. With all these phenomenal impact in brain level it is possible to realize that the way in which information is processed has become horizontal and the learning process of the human brain had been modified cognitively. In order to achieve a level of ethical and ontological reflection behind these issues, a philosophy of distance education is required. At the same time, it is necessary to be aware that the brain jumping is no more than a metaphor, but a reality of technological and human evolution which is in the same emergent process: concomitant evolution. The difficulties encountered by many countries which had invested in distance learning as a proposal to offer a new educational model came from the lack of emancipating the vertical and instrumental teaching zeitgeist. Therefore, the article is concluded with a hypothetical proposal (a model of virtual learning environment), still under construction, which seeks to enhance the Global Brain in distance learning.


Keywords: Global Brain, Reverse Engineering of Knowledge, Philosophy of Distance Education.


Palavras-chave


Ensino a distância; Metodologias de ensino e aprendizado; Educação a distância; Cursos on-line

Texto completo:

PDF

Referências


Abbagnano, N. (2012). Dicionário de filosofia. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Azevedo, A. R., Reis, D. B., Lima, G. M., Machado, I. I., Miranda, I. A., Lourenço, J. M. & Duarte, A. S. (2011). Inclusão digital e competência informacional: proposta de abordagem metodológica para estudo de usuários da informação digital. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, 1(1), 1-14. Disponível em http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/moci/article/view/1220/825

Bakhtin, M. (1997). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bastos, C. L., Gava, G. L. & Vargas, C. E. C. (2014). Jerry Fodor and The Reinterpretation of The Phrenological Model. American Journal of Education Research, 2(12), 8-10. doi: 10.12691/education-2-12-3

Brandão, M. A., Jambeiro, O., Lima, J. & Silvia, H. (2005). Inclusão digital e educação para a competência informacional: uma questão de ética e cidadania. Ci. Inf, 34(1), 28-36. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ci/v34n1/a04v34n1.pdf

Capurro, R. (2010). Desafíos téoricos y practicos de la ética intercultural de la información. In EBook do I Simpósio Brasileiro de Ética da Informação (pp. 11-51). João Pessoa: Idea.

Deleuze, G. & Guattari, F. (2010). O que é a filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora 34.

Dretske, F. (1981). Knowledge and the flow of information. Cambridge: MIT Press.

Floridi, L. (2013). The ethics of information. UK: Oxford University Press.

Floridi, L. (2014). The fourth revolution: how the infosphere is reshaping human reality. UK: Oxford University Press.

Freire, P. (2011). Extensão ou comunicação? 13. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Gardner, H. (1994). Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Gardner, H. (1996). A nova ciência da mente: uma história da revolução cognitiva. 2. ed. São Paulo: Edusp.

Gardner, H. (2008). Changing minds: the art and science of changing our own and other people’s minds. Boston: Harvard Business School Press.

Gava, G. L. (2010). O último desejo de Freud: réquiem à teoria do inconsciente. Curitiba: Juruá.

Gava, G. L. (2014a). The Philosophy of Distance Education. American Journal of Educational Research, 2(12), 1-3. doi: 10.12691/education-2-12C-1

Gava, G. L. (2014b). A mente holística: fenômenos cognitivos globais no cérebro segundo Jerry Fodor. Curitiba: Juruá.

Gava, G. L. (2016). O cérebro global e sua relação com a Educação a Distância. Portal Ciência e Vida – Revista Filosofia, ano IX, n. 117, 1-2. Disponível em http://portalcienciaevida.uol.com.br/esfi/Edicoes/117/artigo369726-1.asp

Gava, G. L. & Bastos, C. L. (2015). A disciplina de filosofia no modelo EaD: limites, desafios e possibilidades da disciplina a distância. Saberes – Revista Interdisciplinar de Filosofia e Educação, 1(11), 43-51. Disponível em http://www.periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/6349/5195

Gonzalez, M., Broens, M. & Moraes, J. (2010). A virada informacional na filosofia: alguma novidade no estudo da mente? Aurora Revista de Filosofia, 22(30), 137-151. Disponível em http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RF?dd1=3697&dd99=pdf

Halévy, M. (2010). A era do conhecimento: princípios e reflexões sobre a revolução noética no século XXI. São Paulo: Unesp.

Inovação Tecnológica. Lógica pós-binária: criado um trit, que guarda 0, 1 ou 2. Acesso em 12 de maio de 2016, disponível em http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=nanomemoria-trit#.VzSIW9IrLIV

Lévy, P. (1996). O que é virtual? São Paulo: Ed. 34.

Marcacini, A. (2010) Direito e informática: uma abordagem jurídica sobre a criptografia. São Paulo: CryptoBooks.

Massachusetts Institute of Technology. MIT Technology Review. NSA Says it “must act now” against the quantum computing threat. Acesso em 25 de fevereiro de 2016, disponível em https://www.technologyreview.com/s/600715/nsa-says-it-must-act-now-against-the-quantum-computing-threat/

Moraes, J. A. (2012). Implicações éticas da “virada informacional na filosofia”. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Morin, E. (2006). A cabeça bem-feita: repensar a reforma e reformar o pensamento. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Palfrey, J. & Gasser, U. (2011). Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed.

Palloff, R. M. & Pratt, K. (2004). O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Artmed.

Prensky, S. (2001). Digital game-based learning. New York: McGraw-Hill.

Radin, D. (2012). Mentes interligadas. São Paulo: Aleph.

Schmidt, E. & Cohen, J. (2013). A nova era digital: como será o futuro das pessoas, das nações e dos negócios. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Shannon, C. & Weaver, W. (1949). The mathematical theory of communication. Illinois: University Press.

The Global Brain Institute. Acesso em 25 de fevereiro de 2016, disponível em https://sites.google.com/site/gbialternative1/

University College London. Record for fastest data rate set. Acesso em 25 de fevereiro de 2016, disponível em http://phys.org/news/2016-02-fastest.html

Veen, W. & Vrakking, B. (2009). Homo Zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed.

Vygotsky, L. (1998). A formação social da mente. Rio de Janeiro: Martins Fontes.

Wheeler, J. A. (1990). Information, physics, quantum: the search for links. In: Zurek, W. H. (Ed.). Complexity, entropy, and the physics of information. Reading: Perseus Books.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v6i3.406



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS