Educação a Distância (EaD): Processos de Mediação e Uso das Tecnologias em uma Abordagem Transdisciplinar

Daniela Da Costa Britto Pereira Lima, Lívia Soares de Lima Sousa

Resumo


A utilização da EaD como forma de democratizar o ensino superior no Brasil tem sido discutida por pesquisadores afetos aos mais diversos temas educacionais. Trazemos neste estudo uma breve retomada histórica, demonstrando que os primeiros cursos de ensino superior no Brasil não se destinavam às consideradas classes subalternas. Esse processo histórico fez com que o ensino superior se tornasse algo quase restrito às classes dominantes. Apresentamos a EaD e sua legislação a fim de introduzir também a criação e implementação do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), política com vistas à democratização do acesso ao ensino superior. Elencamos alguns autores contrários ao uso da EaD como forma de democratizar o ensino no Brasil. Embora em direções diferentes, os autores contrários ao uso da EaD caminham quase sempre num mesmo viés. Um dos principais argumentos trazidos no bojo de suas argumentações contrárias é de que a EaD estaria servindo apenas aos interesses “mercantilistas” preconizados pela reestruturação do aparelho do Estado, operacionalizado principalmente na década de 1990. Tais autores desconsideram os avanços obtidos por meio da EaD, a despeito dos percalços e/ou dificuldades enfrentadas em tal modalidade. Sendo assim, trazemos autores favoráveis à implementação da EaD como política de popularização do ensino, a fim de demonstrar como ela tem sido importante no processo histórico de democratizar o ensino superior em nosso país, ampliando suas vagas, avançando na questão do acesso e, ainda, interiorizando as IES públicas e privadas em praticamente todo o território nacional.

Palavras-chave: EaD; Ensino a distância no Brasil; Democratização do ensino superior.


The EaD in Brazil and the Process of Democratization of Access to Higher Education: Possible Dialogues

Abstract
The use of E-learning as a way to democratize higher education in Brazil has been discussed by researchers concerned about the most diverse educational themes. We bring in this study a brief historic overview showing that the first higher education courses in Brazil were not destined to the classes considered subaltern. This historical process has made higher education to become something almost restricted to the dominant classes. We present E-learning and its legislation in order to introduce also the creation and implementation of Open University System of Brazil (UAB), with aiming the access to higher education democratization. We also mention some authors opposed to use of E-learning as a way to democratize the education in Brazil. Although in different directions, authors opposed to use of E-learning follow the same bias almost always. One of the main arguments is that E-learning was only serving the "mercantilist" interests recommended by the State reconstruction process which took place mainly in the 90s. Such authors disregard the advances obtained by education through E-learning, despite the difficulties faced in such modality. Therefore, we bring authors in favor of E-learning as education democratization policy implementation in order to demonstrate how E-learning has been important in the historical process higher education democratization in our country, increasing their number of vacancies, improving the issue of access and interiorizing the public and private Institutions of Higher Education in almost all the national territory.

Keywords: E-learning; Distance education in Brazil; Higher education; Democratization.


Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, K. M. (2010). A expansão do ensino superior no Brasil e a EaD: dinâmicas e lugares. Educação e Sociedade,31(113),1319-1335. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v31n113/14.pdf

Chaves, V. L. J. (2010). Expansão da privatização/mercantilização do ensino superior brasileiro: a formação dos oligopólios. Educação e Sociedade,31(111), 481-500. Disponível emhttp://www.scielo.br/pdf/es/v31n111/v31n111a10.pdf

Costa, M. L. F. (2008). Educação a distância no Brasil: perspectiva histórica. In: M. L. F. Costa & R. M. Zanatta (Orgs.). Educação a Distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. Maringá: Eduem.

Costa, M. L. F. (2012). História e políticas públicas para o ensino superior a distância no Brasil: o programa Universidade Aberta do Brasil em questão. HISTEDBR On-line, 12(45), 281-295. Disponível em http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/45/art18_45.pdf

Costa, M. L. F. (2009). O sistema Universidade Aberta do Brasil: democratização e interiorização do ensino superior. In: Costa, M. L. F. (Org.). Introdução à educação a distância. Maringá: Eduem.

Costa, M. L. F., & Zanatta, R. M. (2008). Educação a distância no Brasil: programas do ministério da educação. In: M. L. F. Costa & R. M. Zanatta (Orgs.).Educação a Distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. Maringá: Eduem.

Ferreira, J. L. (2008). Moodle: ambiente virtual de aprendizagem. In: M. L. F. Costa & R. M. Zanatta (Orgs.). Educação a Distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. Maringá: Eduem.

IBGE (2011). Censo da educação superior 2010: divulgação dos principais resultados da educação Superior 2010. Brasília, DF: Inep/MEC. Disponível em http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2010/divulgacao_censo_2010.pdf

Leal, L. N. (2012). Só 11,3% da população adulta têm faculdade, diz IBGE. Exame. Disponível em http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/so-11-3-da-populacao-adulta-tem-faculdade-diz-ibge

Lima, K. R. de S. (2011). A política de ensino superior a distância no Brasil nos anos de neoliberalismo. Perspectiva,29(1), 19-47. Disponível em http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/2175-795X.2011v29n1p19/pdfa

Lima, K. R. de S. (2007). Educação a distância ou à distância da educação? Universidade e Sociedade, XVI(39), 81-91.

Malanchen, J. (2007). Políticas de educação a distância: democratização ou canto da sereia? HISTEDBR On-line, 26, 209-216. Disponível em http://gepeto.ced.ufsc.br/politicas-de-educacao-a-distancia-democratizacao-ou-canto-da-sereia/

Pereira, L. D. (2009). Mercantilização do ensino superior, educação a distância e Serviço Social. Katálysis, 12(2), 268-277. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rk/v12n2/17.pdf

Santinello, J. (2009). Breve histórico da EaD no Brasil: políticas públicas educacionais e informalidade na educação a distância. In J. Santinello & M. A. Bronoski. A educação a distância: histórico, ferramentas e contextualizações na Sociedade do Conhecimento. Guarapuava: Unicentro.

Santos, A. P., & Cerqueira, E. A. de. (2009). Ensino Superior: trajetória histórica e políticas recentes. InIX Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária na América do Sul. Disponível em http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/35836

Silva, S. A. da; Silva, S. C. da; Jimenez, S.; & Segundo, M. das D. M. (2012). Relatório de Pesquisa: educação a distância e precarização do trabalho docente. Revista Eletrônica Arma da Crítica, 4, 225-231. Disponível emhttp://www.armadacritica.ufc.br/phocadownload/relatorio_20131.pdf

Vianney, J. (2003). A universidade virtual no Brasil: o ensino superior a distância no país. Tubarão: Unisul.




DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v5i3.317



Direitos autorais 2018 Revista EaD em FOCO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

UNIVERSIDADES CONSORCIADAS